Total de visualizações de página

sexta-feira, 31 de agosto de 2012


CÂNCER OCUPACIONAL

O câncer ocupacional é originado devido a exposição a agentes carcinogênicos presentes no ambiente de trabalho, mesmo após a cessação da exposição; representa de 2% a 4% dos casos de câncer. 

Os fatores de risco de câncer podem ser externos (ambientais) ou endógenos (hereditários), estando ambos inter-relacionados e interagindo de várias formas para dar início às alterações celulares presentes na etiologia do câncer.

 A má qualidade do ar no ambiente de trabalho é um fator importante para o câncer ocupacional. 

Durante pelo menos oito horas por dia os trabalhadores estão expostos ao ar poluído, pondo seriamente em risco a saúde. Quando o trabalhador também é fumante, o risco torna-se ainda maior, pois o fumo interage com a capacidade cancerígena de muitas das substâncias.
Alguns tipos de agentes causadores:

Agentes químicos: 
• Agrotóxicos;
• Amianto (ou asbesto);
• Sílica;
• Benzeno;
• Xileno;
• Tolueno.


Profissionais expostos a estes agentes são, principalmente, agricultores, operários da indústria química e construção civil, trabalhadores de laboratório, mineradores etc.

Agentes físicos:
• Radiação ionizante: partículas alfa, beta, raios gama, raios-X, nêutrons e outros.

Os trabalhadores afetados são os que trabalham na indústria nuclear ou próximos a equipamentos que emitam radiação (por exemplo: em instituições médicas ou em laboratórios). 

O dano pode ocorrer no nível celular ou molecular, quando o controle do crescimento é rompido, permitindo o aumento descontrolado de células cancerosas, uma vez que a radiação ionizante tem a habilidade de quebrar os elos químicos dos átomos e moléculas, produzindo um potente carcinógeno.

• Radiação não-ionizante: exemplo, luz solar que é composta de:
- Radiação ultravioleta (UV), invisível aos olhos;
- Luz visível;
- Radiação infravermelha, que é a principal fonte de calor, mas também não é visível.

Trabalhadores afetados são os que executam suas atividades ao ar livre ou em áreas onde recebem grande reflexo da luz solar, ou ainda, trabalhadores que utilizam intensa radiação de UV, como soldadores.

Fatores que influenciam o desenvolvimento do câncer ocupacional:
• Dose diária absorvida;
• Tempo de exposição;
• Idade;
• Doença preexistente;
• Suscetibilidade individual;
• Predisposição genética;
• Outros fatores, como tipo de alimentação, estresse, fumo...
A prevenção do câncer de origem ocupacional deve abranger:
1 - a remoção da substância cancerígena do local de trabalho, os compostos cancerígenos devem ser substituídos por outros mais seguros;
2 – o controle da liberação de substâncias cancerígenas resultantes de processos industriais para a atmosfera;
3 – o controle da exposição de cada trabalhador e o uso rigoroso dos equipamentos de proteção individual (máscaras e roupas especiais);
4 - a boa ventilação do local de trabalho, para se evitar o excesso de produtos químicos no ambiente;
5 - o trabalho educativo visando a aumentar o conhecimento dos trabalhadores a respeito das substâncias com as quais trabalham, além dos riscos e cuidados que devem ser tomados ao se exporem a essas substâncias;
6 - a eficiência dos serviços de medicina do trabalho, com a realização de exames periódicos em todos os trabalhadores que devem ter direito à saúde integral por tempo indeterminado;
 
7 - a proibição do fumo nos ambientes de trabalho, pois, como já foi dito, a poluição tabagística ambiental potencializa as ações da maioria dessas substâncias.
Para isso se faz necessário o envolvimento de órgãos governamentais para a criação de leis que proíbam a exposição a qualquer concentração de substâncias que, comprovadamente, provoquem câncer no homem, obrigando os empregadores a informar seus empregados sobre os riscos a que estão expostos no ambiente de trabalho, manter um programa de exames médicos periódicos e adotar programas de proteção individual, através da utilização de equipamentos mais adequados.

Portanto, a exposição ocupacional deve ser valorizada em políticas de prevenção de câncer, principalmente em países em desenvolvimento.

 A prevenção do câncer implica ações de saúde pública 

destinadas a reduzir ou eliminar os fatores de risco para a 

doença. Estas ações voltam-se primariamente para os 

fatores de risco que são considerados, em princípio, 

evitáveis, ou seja, aqueles que são extrínsecos ao indivíduo 

e são, por isso, denominados também de fatores ambientais. 


Esses fatores ambientais compreendem todas as influências 

externas que se fazem sentir sobre o indivíduo, como a 

condição social, a ocupação, os hábitos alimentares, o estilo 

de vida, a exposição a agentes físicos e químicos.


O diagnóstico precoce é a chave para o tratamento de 

qualquer tipo de câncer, e também para o câncer de origem 

ocupacional.
 

Câncer de pulmão

O câncer de pulmão é a primeira causa de morte por câncer nos homens brasileiros de todas as idades, sendo mais comum em áreas urbanas e industrializadas (regiões sudeste e sul do país). Segundo estimativas do INCA-Instituto Nacional do Câncer, o câncer de pulmão deverá atingir 22.085 pessoas (15.165 homens e 6.920 mulheres) e causar 16.230 mortes em 2003.



Fatores de risco

O tabagismo é o principal fator de risco do câncer pulmonar, 
sendo responsável por 90% dos casos. Vários agentes ambientais e ocupacionais são hoje reconhecidos como cancerígenos para o pulmão, destacando-se entre eles:


>> radiações ionizantes - minas de urânio e outras minas, laboratórios, ambulatórios, hospitais, na agricultura e na indústria;

>> arsênico - minas e fundições de arsênico, fundições de cobre, zinco e chumbo, produção de pesticidas, curtumes, produção de pigmentos de tintas, nas indústrias eletrônicas, farmacêutica e metalúrgica;

>> asbesto (amianto) - minas de asbesto, construção civil, estaleiros, manufaturas de fibrocimento (telhas, caixas d’água, tubulações, pisos), fabricação e uso de material de fricção (lonas, pastilhas de freio e discos de embreagem) e de isolamento térmico (refratários) e, nas indústrias têxteis;

>> berílio - indústria eletrônica e aeroespacial e, na fabricação de reatores nucleares;

>> cromo - galvanoplastias (cromação), curtumes, manufaturas de cromatos e pigmentos e, na fabricação de aço inoxidável;

>> ferro - minas de ferro, aciarias, fundições e soldagens;

>> níquel - refinarias de níquel, galvanoplastias, fabricação de aço inoxidável, catalisadores e pigmentos e, nas indústrias petroquímica e da borracha;

>> clorometil éteres - laboratórios químicos, anestésicos e manufaturas de resinas de trocas iônicas;

>> hidrocarbonetos policíclicos aromáticos - coquerias (siderurgia), e trabalhadores expostos a asfalto, piche, alcatrão, ceras de parafinas e óleos lubrificantes;

>> outros agentes - gás mostarda, acrilonitrila, cloreto de vinila, cádmio e a sílica;

>> processos de trabalho - trabalhadores do setor da borracha (especialmente nas indústrias de pneus), das indústrias de pigmentos e das refinarias de cobre.


Sintomas

Os tumores localizados na região central do pulmão provocam sintomas como tosse, sibilos, estridor (ronco), dor no tórax, escarros hemópticos (escarro com raias de sangue), dispnéia (falta de ar) e pneumonite (brônquio). Já, os tumores pulmonares de localização periférica são geralmente assintomáticos. No entanto, quando eles invadem a pleura ou a parede torácica, causam dor, tosse e dispnéia do tipo restritivo pela pouca expansibilidade pulmonar.


Diagnóstico...


A maneira mais fácil de se diagnosticar o câncer de pulmão é através de um raio X torácico complementado por uma tomografia computadorizada. A broncoscopia (endoscopia respiratória) deve ser realizada para avaliar a árvore traqueobrônquica e eventualmente permitir a biópsia. É fundamental obter um diagnóstico preciso, seja pela citologia ou patologia. Uma vez obtida a certeza da doença realiza-se o estadiamento, que consiste em saber o estágio de evolução, ou seja, se a doença está restrita ao pulmão ou disseminada por outros órgãos.


Prevenção


A mais importante e eficaz prevenção do câncer de pulmão 

é a primária, ou seja, o combate ao tabagismo e a 

eliminação, nos locais de trabalho, dos agentes ambientais 

reconhecidos como cancerígenos para o pulmão.

IMPORTANTE
 Somente um médico pode diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. As
 informações disponíveis em Dicas em Saúde possuem apenas caráter educativo.

Fontes:
- Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. Vigilância do câncer ocupacional e ambiental. Rio de Janeiro: INCA, 2005.
- BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. Seminário de Câncer Ocupacional e Ambiental. [s.l.] , 2005.

  •  Sugira um tema: grupofocal@saude.gov.br
  •  Créditos: Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde






$$$EMPREENDA, FAÇA E VENDA$$$
See full size image
CANUDOS
Strawrings
LUMINÁRIA DE CAIXA DE OVO
FELTRO EM FESTA...
CABIDE DOBRADO



PALITOS PARA APERITIVOS DECORADOS:


CULINÁRIA FÁCIL...
NESTE FIM DE SEMANA FAÇA 'BURACO QUENTE' PRA APERITIVO/LANCHE OU PRATO PRINCIPAL...

  • 100g de bacon picado
  • 1 cebola picada
  • 2 tomates picados sem casca
  • 10 azeitonas pretas picadas
  • 600g de carne moída
  • 2 colheres (sopa) de azeite
  • 2 colheres (sopa) de mostarda
  • Sal a gosto
    • 10 pães franceses
    • 1/2 pé de alface cortado em tiras
    Preparo

    Em uma panela, coloque o bacon para fritar e, depois de reduzido, adicione a cebola, o tomate, a azeitona, a carne moída, o azeite, a mostarda e sal
    Deixe refogar por 15 minutos em fogo alto
    Retire com a faca uma rodela da ponta do pão, e com os dedos, retire todo o miolo
    Encha o pão com o refogado de carne moída
    Para montar o prato, coloque a alface em tiras no fundo do prato e o sanduíche deitado por cima com a carne saindo um pouco de dentro
    Faça riscos com mostarda no prato branco

    SIRVA COM CHOPP GELADO/CERVEJA/SUCO/REFRI/ OU UM BOM CAFEZINHO!!! É UMA DELÍCIA!!!

    PUDIM DE LEITE COM LARANJA
    • Pudim:
    • 1 lata (395 g) de leite condensado
    • 1 caixinha (200 g) de creme de leite
    • ½ xícara (chá) de leite
    • 2 ovos
    • Raspas de 1 laranja
    • Calda:
    • 1 xícara (chá) de açúcar
    • ½ xícara (chá) de água
    • Tiras finas da casca de 2 laranjas
    PREPARO
    Pudim: Bata todos os ingredientes do pudim no liquidificador e reserve.

    Calda: Junte o açúcar com a água e as tiras de laranja e leve ao fogo médio. Deixe apurar até obter uma calda de caramelo médio.

    Despeje a calda ainda quente em 6 forminhas refratárias (8 x 11 x 4 cm) com capacidade para 150 ml. Em seguida, divida a mistura batida entre elas.

    Leve para assar em forno moderado (180 °C), preaquecido, em banho-maria, por 40 a 50 minutos, ou até que, ao espetar o pudim com um palito, este saia seco. Tire do forno e deixe esfriar.

    Leve as forminhas à geladeira e espere, pelo menos, 4 horas para desenformar e servir.

    Rendimento: 6 porções 
    Tempo: 60 minutos


    MENSAGEM:

    NESTE FIM DE SEMANA:


Nenhum comentário: