Total de visualizações de página

segunda-feira, 25 de maio de 2015

NR 12 Maquinas e Equipamentos


Operação máquinas pesadas próximas à rede elétrica em áreas rurais:

Acidentes com a rede elétrica também acontecem em áreas rurais, principalmente onde ocorre o uso de máquinas pesadas, como escavadeiras e carregadeiras, que chegam a atingir alguns metros de altura acima do solo, tocando em redes elétricas ou provocando o desmoronamento do terreno e a queda de estruturas se a escavação for feita muito próxima destas e caminhões basculantes, que podem atingir os fios da rede elétrica durante o basculamento da caçamba.
A operação dessas máquinas requer, entre outros procedimentos, análise prévia do local para se evitar acidentes com a rede elétrica. Os principais tipos de acidentes ocorrem quando há a aproximação da máquina ou do operador com os fios da rede elétrica, provocando choque elétrico e danos à máquina e à rede.

Saiba onde estão as linhas elétricas em seu local de operação e observe-as quando estiver na área. Preste atenção se há algo diferente nas linhas, como fios pendurados
ou ausentes (o que pode significar que estão no chão).
Ao se aproximar das linhas elétricas, certifique-se que os implementos e acessórios de sua máquina estejam o mais baixo possível. Se você não tiver certeza, então pare e verifique.
Quando ocorre o contato com a rede elétrica.
Permaneça na cabine ou na maquina até que alguém venha e verifique o local e a linha de tensão. Lembre-se, você não pode enxergar tudo o que está em volta e sob a sua máquina. As coisas podem parecer seguras para você, mas alguém no chão pode enxergar mais e fazer um melhor julgamento.

Fique calmo e pare sua máquina. Coloque o câmbio em ponto neutro, acione o freio de estacionamento e desligue o motor.
Solicite assistência.
Delimite o perímetro com cones para se certificar de que todos as outras pessoas permanecam fora desta área .

Confira as dicas de segurança para evitar acidentes com a rede elétrica:

- Ao escavar, deve-se observar onde estão os fios das redes elétricas e também as estruturas (torres de transmissão e postes de distribuição). Não escavar muito próximo destas estruturas;
-Não toque, nem se aproxime dos fios arrebentados ou caídos, nem das pessoas ou objetos em contato com eles, como cercas metálicas, postes de ferro ou varais de roupa.
-No caso de colisão com um poste, não saia da maquina se o fio estiver sobre ela. Você poderá tomar um choque se tocar no chão e a maquina ao mesmo tempo, pois fechará um curto-circuito. Se precisar sair do equipamento devido a um incêndio, abra a porta ou janela de emergência e pule com os dois pés juntos, o mais longe possível, sem tocar a lataria do veiculo; Se você não for a vítima, mas a testemunha do acidente, instrua as pessoas da maquina sobre como proceder para sair da mesma e chame imediatamente a companhia elétrica.
-Guindastes, dragas, escavadeiras, tratores, carregadeiras,caminhões basculantes, maquinário agrícola, etc, devem operar longe da rede elétrica.
-Cuidado com a operação de máquinas pesadas ou agrícolas. Sempre que for realizar serviços próximos a rede elétrica, verifique se existe possibilidade de encostar alguma parte da máquina nos mesmos,mantenha sempre uma distância segura.

-Evite estacionar embaixo de redes de alta tensão..

Caso de Choque Elétrico
• Nunca toque na vítima enquanto ela estiver recebendo a corrente elétrica. Esse contato pode ser fatal também para quem está tentando dar socorro.
• Observe as condições do local do acidente. Se estiver em segurança, desligue os disjuntores o mais rápido possível.
• Se não for possível desligar a corrente, utilize material isolante, como borracha, madeira seca, cabo de vassoura, jornal dobrado, cano plástico, corda, para afastar a vitima do contato elétrico.
• Depois de interromper a corrente elétrica, tome as seguintes providências; Peça socorro imediatamente, ligando para o Corpo de Bombeiros, pois é preciso ser rápido. Os primeiros minutos após o choque são vitais para o acidentado;
• Se a vítima estiver inconsciente, coloque-a em uma superfície plana e inicie os procedimentos de primeiros socorros;
• Mantenha a vítima deitada de barriga para cima, com a cabeça inclinada para trás;
• Verifique a respiração e os batimentos cardíacos da vítima. Caso a pessoa apresente sinais de parada cardiorrespiratória, inicie imediatamente as manobras de reanimação.
• Ao carregar a vítima, tome muito cuidado para não complicar eventuais lesões, principalmente na coluna vertebral.
Caso de Tempestade
  • Evitar estar perto de tratores, máquina agrícola, acessórios metálicos.
  • Evitar locais como, lagos, praias, árvores isoladas, postes, pontos elevados.
           • Afastar-se do topo de colinas, de áreas abertas (onde você passa a ser o ponto                mais alto), cercas de arame, varais metálicos e qualquer outro objeto condutor de eletricidade.

           • No solo lembre-se de manter os pés juntos: ao atingir o solo a descarga elétrica se propaga em ondas concêntricas, como quando se atira uma pedra na água, gerando diferenças de potencial elétrico no chão. Mantendo os pés juntos, você evita a passagem da eletricidade.
  • Se você não conseguir abrigo, entre na cabine da maquina. Se a maquina for atingida, a carcaça de metal vai conduzir a eletricidade ao redor de você, e não através de seu corpo. Certifique-se de que todas as janelas e portas estejam fechadas. Não use o rádio.
  • Não opere carregadeiras, tratores ou qualquer máquina agrícola que não tenha cabine metálica fechada.

DICAS PARA OPERAÇÃO SEGURA NO CAMPO

 
• Assegurar-se que as pessoas sejam treinadas para a tarefa e que entendam os riscos associados ao trabalho que está sendo realizado.
• Os operadores de equipamentos devem estar familiarizados com o seu ambiente de trabalho em todos os momentos.
• Certifique-se que as precauções de segurança sejam tomadas com base em diferentes condições metereológicas e de luminosidade.
• Mantenha sua máquina a uma distância segura da borda de aterros ou de água.
• Sinalize e coloque placas de aviso em todas as áreas onde existam riscos para a saúde ou de segurança que não são tao óbvios a todas as pessoas. Os sinais de alerta devem ser facilmente visíveis, legíveis, e identificar a natureza do perigo e qualquer ação de proteção necessária.
• Fornecer e manter proteçoes nas margens de estradas, onde um desnivel ou degrau tenha profundidade suficiente para acidentar um veículo ou colocar em perigo pessoas que operem equipamentos proximos.
Atividades de trabalho do pessoal de apoio
• Monitorar rotineiramente para que os procedimentos de segurança no trabalho sejam seguidos.
• Opere o equipamento de maneira que maximize a visibilidade. Use um observador quando a visibilidade das áreas de trabalho sejam limitadas.

Fonte:Paulo R. Tagliaferri

PPRA, PCMAT, PPP, PCMSO, CURSOS , 

PALESTRAS, LAUDOS E DDS 

CONTATE-NOS NO 

E-MAIL: ecs559@hotmail.com / lilianss9@hotmail.com


PARABÉNS TST'S!!!


$$$ EMPREENDA, FAÇA E VENDA $$$



CULINÁRIA FÁCIL!!!

FRANGO CAIPIRA COM QUIABO


INGRADIENTES:

preparo

Em um recipiente coloque o frango, a cebola, o alho, a cenoura, o salsão e um pouco de sal. Deixe marinar por no mínimo 60 minutos e reserve na geladeira.

Em uma frigideira coloque uma boa quantia de azeite e o óleo de urucum, deixe o frango dourar.

Em uma panela de pressão doure os o frango, a cebola, o alho, a cenoura e o salsão que ficou reservado e junto coloque o extrato de tomate. Tampe a panela e deixe cozinhar por 20 minutos.

Em outra panela coloque a água para ferver com um pouco de sal e aos poucos adicione a polenta mexendo sempre até ficar no ponto de polenta mole.

Em uma frigideira coloque um pouco de azeite e deixe bem quente, acrescente o quiabo.

Abra a panela de pressão, acrescente o tomate, a salsinha, cebolinha e o quiabo.


Sirva com a polenta mole bem quente.



segunda-feira, 18 de maio de 2015

Segurança do trabalho - Máquinas Pesadas: Seus Pontos Cegos, Operadores Cansados...Ato Inseguro - Previna-se & Evite!!!



MÁQUINAS PESADAS E SEUS PONTOS CEGOS


Ponto cego, você já ouviu falar nele ou parou para pensar?

Ponto cego é uma obstrução parcial ou total no campo de visão de um operador de máquinas pesadas. Que tanto pode estar operando uma motoniveladora, dirigindo um carro ou  estar andando tranquilamente na cozinha de sua casa e simplesmente bater a cabeça no armário.

O braço, uma das principais partes de uma escavadeira, encontra-se na frente da maquina. Na maior parte dos casos é o principal vilão da história, pois esta é uma das partes que mais criam pontos cegos neste equipamento.

Na parte de trás encontramos o contrapeso que praticamente tampa a sua visão traseira.

Imagine-se sentado no banco do operador com estes conjuntos obstruindo parcialmente sua visão. Dependendo da posição do equipamento, uma pessoa some completamente do campo de visão do operador. Imagine esta ocorrência aliada a um companheiro de trabalho dormindo na parte de trás do equipamento. É acidente na certa você não acha?

Nos equipamentos existem pontos cegos fixos e variáveis. A cabine do operador, gera um ponto cego fixo, pois a cabine não se movimenta. Os principais pontos a serem considerados, são as colunas frontais, laterais e traseiras do compartimento do operador, teto, painel frontal, portas, vidros, espelhos retrovisores, faróis, etc.

Os pontos cegos variáveis, são os braços e seus agregados (Caçamba, porta garfos, pistões, mangueiras, correntes, acessórios etc), que se movimentam para frente e para trás, para cima e para baixo sempre mudando o campo de visão do operador. Quanto mais completa for a maquina, menor será o campo de visão do ao operador.

Nos acidentes onde o ponto cego é o principal vilão, a culpa por várias vezes acaba caindo sobre o operador, que veio a atropelar um pedestre ou até então, derrubou um poste, ou veio a bater a caçamba na carroceria de um caminhão.

A pergunta que quase ninguém faz é: esta pessoa deveria estar aqui, no raio de giro da maquina?

Tudo isso são pontos críticos que muitas vezes só percebemos quando um acidente acontece. Cada empresa tem seus pontos a serem revistos, analisados e melhorados. Hoje nas grandes obras, é quase que inevitável a interação de pedestres com o movimento dos equipamentos, sendo assim, seguem algumas dicas para evitar um possível acidente por atropelamento ocasionado por um ponto cego ou pela falta de observância e cuidados com o mesmo.

1- Veja e seja visto. Esta é uma sequência de melhorias que ajudam e muito na identificação de pessoas e veículos. Falando sobre veículos industriais, existem vários acessórios e procedimentos que indicam para o pedestre, a presença de um equipamento pesado à sua volta. São eles:

Exemplo de Acessórios:
  • Instalar na maquina, luz intermitente de localização (também chamada de piscaflex ou giroflex)
  • Instalar nas máquinas o alarme de marcha ré • Instalar luz de ré complementar de alto brilho. (No exterior, este acessório de luz auxiliar de segurança é chamado de Blue Spot)
  • Instalar faixas refletivas em volta dos equipamentos
  • Certificar-se do funcionamento da buzina ( no check list)
  • Sempre buzinar antes de ligar o equipamento.
  • Transitar com as máquinas sempre com os faróis acesos. ( dia e noite)
  • Respeitar os limites de velocidade estipulados pela sua empresa.

Em ambientes escuros ou que devido ao processo ofereçam má iluminação, use coletes refletivos, estes ajudarão na sua identificação.

De acordo com a Operaction, outra medida que aumenta a segurança é o treinamento. Conforme informações divulgadas pelo centro, após a realização de um curso de prevenção de acidentes para operadores de motoniveladoras de uma empreiteira, que incluiu a análise das áreas cegas, foi verificada uma redução de 50% dos sinistros.

Uma solução tecnológica  muito simples já está sendo adotada em algumas máquinas mais novas promete acabar para sempre com esse incômodo.

O equipamento nada mais é do que um sistema que monitora os pontos cegos do veículo, avisando o motorista, por meio de uma pequena câmera, se há ou não algum veículo ou objeto no raio de visão não contemplado pela sua visão.

Uma curiosidade. Você sabe qual é o índice de visibilidade de sua maquina? Abaixo o gráfico mostrando os pontos cegos de uma motoniveladora.


CUIDANDO DE SEU OPERADOR DE MAQUINAS PESADAS, DICAS IMPORTANTES.

 Marcus Lacerda
A imagem da empresa muitas vezes é representada pelos seus colaboradores diretos e até mesmo indiretos.Quando um operador mal educado entra na obra de uma construtora para executar serviços, ele é a própria empresa. Se ocorrer um acidente, a sociedade enxerga que o acidente foi com a máquina da construtora “tal”. A construtora que subcontrata um operador é corresponsável pelos atos de seus subordinados, respondendo perante a lei.
O operador é o maior responsável por causar a boa ou a má impressão da empresa que ele representa. Precisamos atentar-nos que ele é um ponto de atenção. Pouco adianta um SAC absolutamente competente e rápido, um comercial que entenda e atenda as necessidades do cliente, quando a pessoa que está na frente de trabalho no campo põe tudo a perder.
A seguir, algumas boas práticas, para desenvolver e cuidar dos operadores, principais representantes da empresa nas frentes de trabalho. Lembre-se, a prática leva à perfeição.
1- Recrutamento, seleção e contratação.
O recrutamento de operadores deve incluir, além das tradicionais pesquisas junto aos órgãos de proteção de crédito e seguradoras, o prontuário da CNH, que inclui pontuação e acidentes. A pesquisa deve também incluir sua experiência em empregos anteriores.
Escolhidos os profissionais para contratação, estes só devem operar após receberem todos os treinamentos necessários, e a certeza de amplo entendimento das regras da empresa. Eles devem receber copias dos manuais de operação e manutenção e assinar uma lauda dos procedimentos para formalizar os ensinamentos.
As cópias devem ser arquivadas junto aos registros de cada operador.
2- Procedimentos de segurança e apresentação
Procedimentos de segurança versam sobre a operação das máquinas pesadas com ênfase na direção defensiva. Eles devem ser claros e disponíveis em forma de manual, que por sua vez deve ser esmiuçado no treinamento inicial de todos os operadores e deve estar disponível e com fácil acesso, de preferência dentro de cada equipamento.
A reciclagem do treinamento deve ser obrigatória, com prazo de um ano e deve abranger todos os operadores. Os exames de saúde idem.
Os operadores receberão noções de higiene e devem ser encorajados a manter uma aparência sadia, com uniformes limpos, barba feita, cabelos e unhas cortadas.
O uso de crachá válido e EPI´s são obrigatórios.
3- Orientação e treinamento
Nenhum operador deve começar a utilizar qualquer equipamento até a conclusão da orientação e da “certificação”. A orientação deve incluir a formação de condução defensiva, normas de segurança, políticas e práticas da empresa, horário de trabalho, e inspeção / lubrificação diárias.
Um teste real de operação, acompanhado de um profissional qualificado, ajudará a determinar os pontos que devem ser enfatizados no desenvolvimento profissional.
A empresa também deve manter reuniões regulares, focando temas como, qualidade, segurança, direção defensiva, condução econômica e outras que achar interessante, inclusive de cunho pessoal como questões de saúde e família.
Todos os treinamentos deverão ser registrados e cada participante deverá receber certificado, cuja cópia devera ser anexada junto aos registros de cada participante.
4- Retenção de operadores e reconhecimento
Ótimo, você conseguiu atrair e desenvolver os operadores. Seus profissionais são os melhores qualificados do mercado, seus clientes não se cansam de elogiar, mas, e agora, como mantê-los?
Da mesma forma que as más condutas devem ser corrigidas, as boas devem ser recompensadas. Salário é importante, porém, não é a única forma de reter os operadores.
Um programa de recompensas baseado em metas tangíveis, que podem incluir manutenção das máquinas, limpeza, médias de consumo, regularidade e obediência aos horários, aparência pessoal e trato com os clientes, por exemplo, pode recompensar em valores ou prêmios, incluindo a destinação das melhores máquinas aos melhores operadores, isso dá status a eles.
Um bom plano de carreira também é um atrativo para reter os profissionais. Operadores podem mudar de nível de conhecimento e ter mais destaque em trabalhos mais elaborados. Isto aumenta sua renda e seu compromisso com a empresa.
Outra prática importante diz respeito à entrevista de desligamento, podendo assim entender e corrigir as causas que levam os operadores a deixarem a empresa.
5- Investigação e acompanhamento de acidentes
Todos os acidentes devem ser investigados e ter suas causas determinadas, assim como sua causa raiz. Se possível, os fatores de risco também deverão ser levantados, permitindo uma ampla análise, de forma a impedir eventos futuros através do tratamento e correção das causas básicas.
Os operadores envolvidos, dependendo da gravidade do acidente, devem ficar afastados de suas atividades até completa elucidação, podendo gerar desde um novo treinamento, até punições mais severas. Mas lembre-se de manter-se sempre dentro das leis trabalhistas. Punições desnecessárias ou fora de um contexto podem trazer muitas dores de cabeça.
Também deverá ser feita análise se houve violação às normas e procedimentos da empresa.
6- Regras de jornada de trabalho
As regras de jornada de trabalho deverão ser minuciosamente explicadas e deverá haver acompanhamento para evitar violação. A não observância das regras de jornada de trabalho poderá causar alguns destes acidentes, até passíveis de processos trabalhistas, portanto, merece atenção.
7- Práticas de manutenção
Os operadores deverão receber treinamento especializado com o objetivo de fazer as checagens rotineiras, serem capazes de identificar alguns problemas, bem como saber as causas das falhas e possíveis formas de correção.
Todo maquina deverá possuir os registros de manutenção apontando data do evento, descrição dos serviços, perímetro na data, peças utilizadas, previsão de revisão dos serviços tanto em data como em horas, valor gasto e quem foi o responsável.
Desta forma, é possível programar manutenções futuras e valores gastos ou futuros.
Lembre-se: suas maquinas são outdoors ambulantes, equipamentos limpos e bem mantidos passam impressão de seriedade.
8- Códigos de ética, conduta e medidas disciplinares.
Por fim, a empresa deve expor de forma clara quais são seus princípios e valores, qual é a sua missão e visão, seu código de ética, e quais são as medidas disciplinares.
Deve haver registros das ocorrências, principalmente no que se refere a acidentes, jornada de trabalho, tratamento de colegas de trabalho e clientes, uso não autorizado de equipamentos e atividades ilegais ou inseguras e também elogios.
Você deve analisar e procurar entender em quais destes pontos você tem lacunas, podendo assim, corrigi-los ou aperfeiçoá-los. A decisão de mudar necessita partir da direção da empresa, e deve de certa forma, contagiar a todos.
Qualidade e honestidade são virtudes que se notam, portanto, você não precisa dizer que possui, seu cliente vai notar!!!

PORQUE OS ACIDENTES ACONTECEM?

É possível agrupar as causas segundo os dois grandes grupos de condicionantes de acidentes,  atos inseguros e condições inseguras.Verifica-se que a maior parte dos acidentes (78,78%) são ocasionados por atos inseguros, o que é obtido pela soma das porcentagens das causas específicas como falta de atenção, cansaço, falta de conhecimento / treinamento, pressa e embriaguez.  Por outro lado, apenas 22,22% dos acidentes relatados no Brasil são creditados a limitações relacionadas ao equipamento pesado. A falta de atenção e o cansaço, que resultam em atos inseguros, têm sua gênese também explicada pela ação indireta do equipamento antigo que, devido a problemas em suas características ergonômicas (conforto), pode resultar no aumento da fadiga do operador.

A falta de conhecimento / treinamento, apontada como uma das principais causas dos acidentes, pode ser explicada pelo fato de a maior parte dos operadores (60,74%) não terem frequentado algum curso de operação de equipamentos pesados, que desse ênfase, além dos aspectos de produtividade do trabalho, à segurança. Um exemplo típico da falta de conhecimento em relação à prevenção dos acidentes com equipamentos é a elevada porcentagem (66,34%) de operadores que permitem que pessoas andem de "carona" na máquina (as vezes até na caçamba!). Esta atitude pode resultar em quedas de pessoas com o veiculo em movimento, um dos principais tipos de acidentes graves, conforme foi explicado anteriormente.

Outro produto da falta de conhecimento e, também, da falta de condições de segurança nos equipamentos atualmente em uso no Brasil refere-se ao cinto de segurança. Os dados obtidos apontam que 61,11% dos maquinários em uso, não possuem cinto de segurança. Com relação aos tratores que possuem cinto de segurança, em cerca de 69% dos casos os operadores não o usam. 

Cabe salientar que a presença e uso do cinto de segurança é requisito obrigatório para o tráfego dos equipamentos pesados em rodovias, segundo o Capítulo IX, Seção I, artigo 96 do Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503, de 23 de setembro de 1997). Além disso, os dados obtidos mostram que, muitas vezes, as máquina  são equipadas com estruturas de proteção contra capotamento, mas o operador não usa o cinto, de forma que sua eficiência praticamente é anulada.

A falta de atenção é outra importante causa dos acidentes. Esta têm sua origem em função, dentre outros fatores, da operação de equipamentos obsoletos ergonomicamente mal projetados e de aspectos ligados à jornada de trabalho, que podem aumentar de maneira substancial o nível de fadiga ao qual o operador encontra-se submetido. Isto resulta numa diminuição de sua capacidade de concentração, o que pode resultar em acidentes. Pôde-se observar que 67,65% dos operadores entrevistados têm uma jornada de trabalho superior a 8 horas durante os períodos de maior demanda de trabalho, que correspondem, normalmente, às épocas de pico. 

Portanto, a longa jornada de trabalho em determinados períodos pode explicar, em grande parte, o elevado número de acidentes observados.

OPERADORES SONOLENTOS
Muitos operadores relatam problemas de sono, sabemos que uma noite mal dormida, acordar muitas vezes durante a noite ou até mesmo ficar totalmente sem dormir, podem ser devastadores para o novo dia de trabalho. Dormir bem é fundamental para desenvolver as atividades durante o dia, principalmente pessoas que trabalham com máquinas pesadas ou guindastes em que pequenas distrações podem levar a acidentes, por isso, uma boa noite de sono, será um dos fatores para evitar acidentes de trabalho, Abaixo algumas dicas para conseguir uma soneca básica:
  • Compre um travesseiro macio, aquele que você se sente bem com a altura e o recheio.
  • Crie o hábito de dormir no mesmo horário, o corpo se acostumará com as novas rotinas de sono.
  • Evite encher a barriga no jantar, alimentos gordurosos ou grandes quantidades de alimentos fazem com que o organismo tenha que trabalhar mais, e tomar água exageradamente vai fazer com que tenha que urinar mais vezes, perturbando o sono, lembre-se que a bexiga do homem e menor que a das mulheres.
  • Crie hábitos interessantes antes de deitar, leia um livro, tome um banho morno, faça sexo e assim por diante.
  • Não faça exercícios pesados antes do momento de ir dormir.
  • Se tentar dormir, e em 15 minutos não conseguir, levante e faça algo para ficar um pouco cansado, esqueça os problemas, neste momento o importante é dormir para no outro dia estar disposto e resolver qualquer problema.
  • É aconselhável dormir um pouco mais cedo que normalmente dorme. Se preferir feche as janelas para que o quarto fique escuro, de preferência um que tenha pouco barulho externo.
  • Crie um ninho confortável – Para dormir bem é importante criar um meio ideal para o sono, use um mosquiteiro se tiver insetos que possam incomodar, tampe os olhos, tampões nos ouvidos, cobertores, colchão confortável, ventiladores, ar condicionado, umidificador de ambiente são muito úteis ou outros dispositivos.
  • Evite fumar, beber, tomar refrigerantes e café durante a noite.
  • Tome pílulas para dormir somente em último caso e principalmente que tenha indicação de seu médico.

fonte: Marcus Lacerda , Paulo Tagliaferri



PPRA, PCMAT, PPP, PCMSO, CURSOS , 

PALESTRAS, LAUDOS E DDS 

CONTATE-NOS NO 

E-MAIL: ecs559@hotmail.com / lilianss9@hotmail.com

PARABÉNS TST's!!!


$$$EMPREENDA, FAÇA E VENDA $$$


CULINÁRIA FÁCIL...

Torta Bauru


Massa:

4 ovos inteiros

1/3 de xícara de queijo ralado

1 xícara de leite

1 xícara de óleo

1 xícara de farinha de trigo

1 colher de fermento em pó

sal


Recheio:

150 g de mussarela picada

orégano

150 g de presunto picado

3 tomates picados

1 cebola picada

salsinha a gosto


Bata os ingredientes da massa no liquidificador (fica bem líquida)
Unte uma assadeira com manteiga, espalhe a metade da massa, o 
recheio previamente misturado e por cima o restante da massa
Polvilhe o queijo ralado e o orégano.
Coloque no forno pré aquecido e asse por mais ou menos 30 
minutos.


Quindim de Fubá


1 lata de leite condensado

1 lata de leite

1 vidro de leite de coco

4 ovos

2 colheres de sopa de farinha de trigo

2 colheres de sopa de fubá

1 colher de sopa de pó Royal

1 colher de sopa de manteiga



MODO DE PREPARO:

Junte todos os ingredientes e bata no liquidificador.
Asse em forma untada com manteiga e enfarinhada

MENSAGEM: