Total de visualizações de página

quinta-feira, 29 de abril de 2010

28 DE ABRIL DIA MUNDIAL EM MEMÓRIA DAS VÍTIMAS DE ACIDENTES DE TRABALHO


Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes de Trabalho


A data em memória às vitimas de acidentes de trabalho, 28 de abril, surgiu no Canadá por iniciativa do movimento sindical, espalhando-se por diversos países, por meio de sindicatos, federações, confederações locais e internacionais. O dia foi escolhido em razão de um acidente que matou 78 trabalhadores em uma mina no estado da Virgínia, nos Estados Unidos no ano de 1969. A Organização Internacional do Trabalho (OIT), desde 2003, consagra a data à reflexão sobre a segurança e saúde no trabalho.
No Brasil, a data foi instituída como o Dia Nacional em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho em maio de 2005, pela Lei nº 11.121.
Em todo o mundo, milhões de trabalhadores se acidentam e centenas de milhares morrem no exercício do trabalho a cada ano. No Brasil, os números também são impressionantes. O Anuário Estatístico da Previdência Social no ano de 2004 registrou 465.700 acidentes de trabalho no país. Em 2005 o número chegou a 499.680, em 2006 a 503.890 e, em 2007, (última publicação) o número atingiu 653.090 casos, 27,5% a mais em relação ao ano anterior, registrando 2.708 mortes e 8.504 casos de invalidez permanente. Os dados estatísticos se referem apenas aos trabalhadores(as) do setor privado e CLTs. Estão fora das estatísticas da Previdência Social os servidores públicos estatutários e trabalhadores da economia informal.
Todos os anos no Brasil são gastos bilhões em recursos públicos com os acidentes de trabalho, pois a parte majoritária da assistência é prestada pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e os benefícios por incapacidade temporária ou permanente, bem como as pensões por morte dos beneficiários, são arcados com os recursos do sistema de Previdência Social.Segundo estimativas da OIT, ocorrem anualmente no mundo cerca de 270 milhões de acidentes de trabalho, além de aproximadamente 160 milhões de casos de doenças ocupacionais. Essas ocorrências chegam a comprometer 4% do PIB mundial. Cada acidente ou doença representa, em média, a perda de quatro dias de trabalho. Dos trabalhadores mortos, 22 mil são crianças, vítimas do trabalho infantil. Ainda segundo a OIT, todos os dias morrem, em média, cinco mil trabalhadores devido a acidentes ou doenças relacionadas ao trabalho.
No Brasil, o dia 28 de Abril vem se consolidando como uma data do calendário do movimento sindical, organizações sociais e do próprio governo federal. Sob o mote "Reformulação da Lei para garantir a Saúde do Trabalhador", a CUT, CGTB, Força Sindical, NCST, UGT e CTB propõem uma revisão na legislação, em especial na Lei 8.213/91. No entendimento das centrais são necessários ajustes para aprimorar os mecanismos de defesa da saúde dos trabalhadores, cobertura previdenciária adequada e estímulo aos empregadores para que haja investimentos em ambientes de trabalho saudáveis.As propostas serão sintetizadas em um anteprojeto de Lei a ser subscrito pelos deputados federais Ricardo Berzoini e Pepe Vargas, cujas bases serão apresentadas no dia 28 de abril próximo, em uma atividade na Câmara Federal. Na data será realizado um grande debate sobre as propostas de alteração na Lei e sobre as condições de trabalho nas empresas brasileiras e os problemas enfrentados pelos trabalhadores em seu dia-a-dia.
Após o ato, o anteprojeto será construído a partir de um amplo debate com as entidades sindicais, especialistas no tema e os parlamentares envolvidos, para ser protocolizado na Mesa Diretora da Câmara Federal no primeiro semestre de 2009. As ações vão exigir muita mobilização das entidades sindicais e demais militantes da Saúde do Trabalhador para ser aprovado e contribuir assim para a melhora dos ambientes de trabalho no Brasil e a consequente redução das estatísticas de acidentes e doenças no trabalho.

quarta-feira, 28 de abril de 2010

DICA DA SEMANA!!! A MELHOR COMIDA TÍPICA REGIONAL!!! CONFIRA...

O BAR E RESTAURANTE IGARAPÉ ESTÁ ABERTO DE TERÇA Á DOMINGO
POSSUI SERVIÇO DELIVERY DE ENTREGA EM CASA
HORÁRIO DE ATENDIMENTO:
DAS 11H ÁS 16H
& DAS 18H ÁS 00H

PERMITA-SE:
*DOURADO Á BAIANA AO MOLHO DE CAMARÃO*

terça-feira, 27 de abril de 2010

VOCÊ ANDA ESTRESSADO(A) NO TRABALHO?!?!?

O estresse não é propriamente uma doença e sim, um estado do organismo quando submetido ao esforço e à tensão. Numa situação estressante, o corpo sofre reações químicas normais que preparam o organismo para enfrentar a situação. O prejuízo entretanto acontece, quando as situações estressantes são contínuas e o organismo começa a sofrer com as constantes reações químicas que se sucedem, sem que haja tempo para a eliminação dessas substâncias e sem o tempo necessário para o descanso e recuperação física e emocional.


SINTOMAS DO ESTRESSE

Exatamente por não ser uma doença propriamente, os sintomas do estresse são indefinidos e ao mesmo tempo abrangentes. Podem ir desde uma dor de cabeça, distúrbios do sono, irritabilidade, cansaço, dificuldade de concentração ou tensão muscular, a dificuldades respiratórias, dificuldade de memória, problemas digestivos, pressão alta, problemas cardíacos, e até mesmo distúrbios psíquicos como síndromes, depressão e pânico.

CAUSAS DO ESTRESSE

Entre inúmeras causas emocionais do estresse no ambiente de trabalho e na vida pessoal, podemos citar basicamente três principais: Alto padrão de exigência pessoal, medo e frustração.

O tipo de vida que nos auto-impomos, onde pensamos ser necessário obter muito mais recursos financeiros do que realmente necessitamos, nos exige mais esforço para cumprir o padrão estabelecido e nos coloca diante de conflitos na vida profissional onde há cada vez mais competição e menos espaço.

O PERFIL DO 'BOM PROFISSIONAL'

O perfil do que se diz ser de um bom profissional para as empresas, passa por características únicas, em que a dedicação á empresa é total, para quem quer seguir uma carreira imprescindível se torna uma pergunta:
QUERO SER UM PROFISSIONAL DE CARREIRA??? Se a resposta for SIM, então prepare-se para as dinâmicas das rotinas administrativas e tenha um jogo de 'cintura' acentuado e sem pena de você mesmo(a) para equilibrar tudo o que desejou para si, ou seja, se casou, se tem filhos(as), cachorro/peixe/planta, todos requererão sua atenção integral. Exigências de um bom profissional: Criativo, ótima comunicação, competente, disposto, grande poder de concentração, sabe mandar e sabe receber ordens. Sabe ouvir e se colocar, sabe estimular o crescimento do grupo e dos indivíduos além de almejar também para si e para a empresa, o crescimento. Tem muito boa aparência e alto grau de compreensão do comportamento humano e sabe lidar com ataques histéricos de seus patrões, sem se abalar quando chamado de incompetente, ou quando for colocado sobre seus ombros a responsabilidade de um erro a respeito de algo que na verdade não lhe competia, pois tem alto poder de análise e um emocional impecável e saberá discernir, esclarecer e apaziguar o conflito, sem se abalar. Deve sempre estar pronto para se dedicar de corpo e alma a empresa, sem hora para terminar um serviço e jamais deixar que seus problemas pessoais interfiram em seu trabalho. Precisa saber lidar com as constantes frustrações positivamente e jamais temer, pois tem confiança, coragem, ímpeto, bom humor e vitalidade contagiante. Não fica doente, não fica cansado, não falta nunca ao trabalho, e com prazer, trabalha durante suas férias quando requisitado. Quando se tratar de uma mulher, que não tenha filhos de preferência e que não engravide. E o mais importante, não ganhe mais do que a empresa acha que vale seu trabalho, ou que esteja disposta a pagar.

Esse mesmo padrão utópico profissional, é estabelecido também para diversos setores de nossas vidas, pois existem padrões estéticos onde a beleza física é um padrão irreal, que existe apenas nas revistas e passarelas.

Existem também inúmeros padrões para os comportamentos e sentimentos, onde são estabelecidos padrões para o comportamento ideal dos pais com os filhos, de filhos com os pais, padrões para as amizades, para os relacionamentos amorosos, enfim, temos padrões e caixinhas fechadas em todos os setores de nossas vidas, onde devemos nos encaixar de uma forma ou de outra.

Como então, não se auto exigir tanto, nem ter medo ou se sentir frustrado diante de tão negro quadro?

Tente ao menos pensar a respeito, sentir se você realmente concorda, quer e aceita entrar para viver dentro dessas caixinhas apertadas?

Procure investigar a verdade de seus sentimentos, desejos e preparo pessoal!

É realmente impossível viver sem o carro do ano? Você trabalha no que realmente gosta e tem talento? Você não acha que pode ser amado pelo que é em vez de ser amado pela sua aparência? Quem é você? No que deixou os padrões transformar sua vida?

CONHECE-TE A TI MESMO...

Não adianta reclamar que o patrão, a empresa, a esposa, os filhos, o marido, não conseguem enxergá-lo, se na verdade nem você mesmo se conhece o suficiente para mostrar a eles quem é!

Pare! Dê um tempo para se descobrir e perceber que pessoa maravilhosa você é!

Autoconhecimento. Não há como viver feliz e realizado sem ele, pois não há como você viver sem que conheça quem está realmente vivendo a vida que diz ser sua! Quem vive sua vida? Você ou um padrão, um personagem?

A ESFINGE...

Estamos todos diante do enigma da grande esfinge:

Decifre-me ou eu te devorarei!

E a esfinge, somos nós!

A esfinge é você!

Decifre a si mesmo, ou poderá ser devorado pelo personagem que criou sem perceber!

Preste atenção aos sintomas que descrevi acima, faça uma auto-observação
e tome uma atitude consciente! Você merece! Faça isso por si e pelas pessoas a sua volta!

TRATAMENTO ANTI-ESTRESSE

Gostaríamos de propor nesse momento, que dedique alguns minutos a si, que se permita um pouco de alívio para a tensão e o estresse acumulado.

Você não acha que merece?

Pois saiba que só existe uma cura para o estresse: Atitude

Não adianta que a medicina esteja avançada e preparada para lidar com os distúrbios ligados ao estresse, pois o inicio e o fim de tudo isso, repousa e depende de sua atitude.

Tenha uma atitude positiva em relação a si!

Aprenda a relaxar para aprender como lidar com o estresse, pois o mundo pode não mudar, mas sua atitude perante o mundo pode mudar e muito!

RELAXE! APRENDA! É FÁCIL! VOCÊ PODE E MERECE!
MEDITE/ORE - RELIGUE-SE AO SEU EU VERDADEIRO!!!
SAÚDE É SINTONIA COM O SEU AUTO-DESCOBRIMENTO PESSOAL: MATÉRIA E ESPÍRITO!!!
BOA SEMANA!!!
Fonte: Comportamento Organizacional - Andrew J. Dubrin
Vera Calvet



segunda-feira, 26 de abril de 2010

CUIDANDO DA SAÚDE DO CORPO - EQÜILÍBRIO

Acidentais ou relacionadas ao ambiente – fraqueza muscular, artrite, epilepsia, medicamentos, hipotensão postural, queda da cama e síncope.


Os distúrbios de equilíbrio e marcha – tontura e vertigem, doenças agudas, dor, álcool, confusão ou Delirium e distúrbios visuais.

Vários estudos mostram que projetos de exercícios com duração de 10 semanas a 9 meses mostraram que (1) há um redução em 10% da probabilidade de queda entres os idosos que se exercitam em comparação com sedentários; (2) o treinamento específico para equilíbrio motivou uma redução de 25% de quedas; (3) aulas de Tai Chi Chuan (um exercício de equilíbrio), reduzem o risco de cair em 37%.

Na Universidade de Brasília, na Faculdade de Educação Física, já existe um programa específico para prevenir quedas em idosos através de exercícios de equilíbrio. Esse programa é desenvolvido pela Professora Juliana Nunes de Almeida Costa e coordenado pela Professora Dra. Marisete Safons.

Segundo a professora Juliana um circuito de exercícios multisensoriais que avaliam os efeitos da sequência de exercícios sobre o equilíbrio e o risco de quedas para qualquer pessoa e especialmente em idosos os resultados são muito significantes. O programa de Exercícios Multisensoriais promoveu a melhora significativa do equilíbrio desses e, também, uma redução expressiva no risco de quedas, além de ser um grande sucesso entre eles pois além de promover saúde física, também constitui a socialização de todos durante as aulas.

Um programa de prevenção de quedas tem como objetivo promover a autonomia e a independência pessoal, minimizando os riscos da queda e suas consequências, diminuindo o medo de cair e incentivando as atividades da vida diária.

Como prevenir a queda dos idosos?

Prática de exercícios físicos mesmo nos idosos mais frágeis ou que usam bengala, andadores ou estão em cadeira de rodas para: melhora da marcha e do equilíbrio, fortalecimento de musculatura principalmente das pernas, aumentar a amplitude do movimento das articulações; alongamento e aumento da flexibilidade articular. O objetivo final é manter o idoso ativo, o que já diminui o risco de quedas.

O exercício físico é a forma natural e mais barata para a manutenção, prevenção e reabilitação da saúde.

Dica:

Para você que tem um idoso dentro de casa, ou um parente ou amigo idoso que gostaria que ele participasse de um programa de exercícios para prevenção de quedas e manutenção da saúde, deve procurar academias que proporcionem trabalho específico para o idoso como as fisioterápicas, de yoga, pilates,  ou procurar saber do idoso(a) o que lhe parece mais motivador resguardando os excessos de pedidos não adequados ao quadro de saúde apresentado pelo mesmo(a). São aulas de hidroginástica, musculação, dança de salão, yoga e circuito de equilíbrio todos orietandos por profissionais especialistas em atividade física para idosos.
FONTES:
Acesse em Brasília: http://www.gepafi.com/ ou ligue: (61) 3107-2557
Em Porto Velho temos: CIA do Movimento - Dom Pedro Segundo-atrás do Vila Rica Hotel, Yoga Ananda - Pinheiro Machado, subesquina da Joaquim Nabuco, Yoga Rose Queiroz, Fisiopilates, etc...
AMAR-SE, PARA CONVIVER E PARTILHAR É SAÚDE E SEGURANÇA SOCIAL!!!

sexta-feira, 23 de abril de 2010

COMEMORE BRASILEIRO!!! - 22/04/2010

Dia do Descobrimento do Brasil


Pedro Álvares Cabral, D. Manuel I e Duarte Pacheco: personagens centrais no descobrimento do Brasil.


Ainda hoje, a data de 22 de abril é marcada oficialmente como o dia em que a Coroa Portuguesa anunciou o descobrimento das terras brasileiras. Durante muito tempo, esse evento de dimensões históricas foi interpretado como o resultado de uma aventura realizada por corajosos homens do mar que se lançaram ao desconhecido e encontraram uma nova terra. Contudo, apesar de empolgante, existem outras questões por trás dessa versão da história que marcou o ano de 1500.



Mesmo antes de chegar ao Brasil, a Coroa Portuguesa estava inserida em uma acirrada disputa econômica onde os estados nacionais europeus disputavam a expansão de suas atividades mercantis. Dessa forma, cada avanço tecnológico, terra conquistada ou rota descoberta, se tornava um precioso “segredo de Estado”. Antes de sair anunciando uma conquista aos quatro ventos, os governantes daquela época avaliavam minuciosamente os interesses e circunstâncias que envolviam esse tipo de exposição.

Uma das primeiras pistas que nos indicam esse tipo de planejamento envolvendo o descobrimento do Brasil se deu quando Portugal exigiu a anulação da Bula Inter Coetera e a assinatura do Tratado de Tordesilhas. Afinal de contas, por que os portugueses repentinamente chegaram à conclusão de que uma nova divisão das terras coloniais deveria ser realizada?
De fato, essa é uma das muitas outras questões que fazem a versão romântica do descobrimento cair por terra.



Quando chegamos em 1500, o rei português Dom Manuel I autorizou que o navegante Pedro Álvares Cabral organizasse uma esquadra que, segundo consta, deveria aportar na Índia. Para tal propósito foi designada o uso de oito naus, três caravelas, um navio de mantimentos e uma caravela mercante. Além disso, foram convocados aproximadamente 1500 homens, incluindo capitães, tripulantes, soldados e autoridades religiosas.

Entre esses vários participantes da viagem marítima estava o cosmógrafo Duarte Pacheco da Costa, que, segundo aponta alguns historiadores, tinha participado de uma expedição secreta que já havia chegado ao Brasil no ano de 1498. Além disso, um ano após essa sigilosa viagem, outros indícios apontam que os navegadores Américo Vespúcio e Vicente Pinzón também fizeram uma breve visita ao Brasil. Mais uma vez, fica difícil acreditar que os portugueses não sabiam o que estavam fazendo.



Para celebrar a partida de Pedro Álvares Cabral e seus experientes auxiliares para essa viagem ao Oriente, o rei organizou uma enorme festa de comemoração que contou com a presença de espiões de outras nações mercantis da Europa. Dessa forma, nada poderia levar a crer que os dirigentes portugueses tinham outro plano, senão, circunavegar a costa africana e – assim como Vasco da Gama – realizar um novo contato comercial com os indianos.

Contudo, mesmo estando muito bem amparada, a esquadra de Cabral “repentinamente” seguiu uma rota marítima completamente inesperada. As embarcações tomaram distância da costa africana e realizaram uma passagem pela ilha atlântica de Cabo Verde. Depois disso, seguiram uma viagem tranqüila que percorreu 3600 quilômetros a oeste. Passados exatos trinta dias da passagem por Cabo Verde, os navegantes portugueses avistaram o famoso Monte Pascoal.

Chegando ao território brasileiro, inicialmente chamado de “Vera Cruz”, o escrivão oficial, Pero Vaz de Caminha, se pôs a tecer um relato sobre as terras, mas sem citar nenhum tipo de surpresa por parte de seus companheiros. Depois do reconhecimento das terras, Pedro Álvares Cabral não fez questão de contar pessoalmente sobre a presença de “novas terras” a oeste. Ao invés disso, partiu para a Índia e mandou o navegante Gaspar Lemos oficializar a descoberta levando a carta de Pero Vaz ao rei.



Apesar de tantas evidências justificarem a ação premeditada dos portugueses, não podemos deixar de salientar que o enfrentamento dos mares era uma tarefa de grande peso. As más condições de higiene, a falta de água e alimentos tornava a viagem um admirável desafio. Além disso, só depois da oficialização feita em 1500 é que se vivenciaram os tantos outros episódios que, ao longo dos séculos, explica a peculiar formação da nação brasileira.

Por Rainer Sousa
Graduado em História
Equipe Brasil Escola



VIVA E CELEBRE O DIA EM QUE O POVO BRASILEIRO NASCEU !!!

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Causas dos Acidentes


Os acidentes de trabalho não são uma fatalidade.

as acidentes não se dão porque o destino assim quer, mas porque alguém ou alguma coisa o provoca.

Isto significa que um acidente é sempre a conseqüência de uma ou mais causas.

A velha teoria da fatalidade há muito que foi substituída pela teoria da causalidade.



A ideia-chave a fixar é a de que:

Todo o acidente tem pelo menos uma causa.

Sendo assim, os acidentes podem ser evitados ou minimizados investigando as suas causas e eliminando-as.


Podemos então dizer que os acidentes são acontecimentos previsíveis e portanto passíveis de ser prevenidos.



É muito vulgar confundir-se os acidentes de trabalho com as suas conseqüências.



Vamos clarificar idéias.

"Acidente de trabalho" é uma ocorrência instantânea e não desejada, que altera o desenvolvimento normal de uma atividade, provocando danos e lesões.

De acordo com a legislação em vigor, acidente de trabalho "é o acidente que se verifique no local e tempo de trabalho e produza direta ou indiretamente lesão corporal, perturbação funcional ou doença de que resulte a morte ou a redução na capacidade de trabalho ou de ganho".

Se esta ocorrência não provocar lesões ou danos além dos resultantes da perturbação da atividade designa-se por "incidente de trabalho".



As causas dos acidentes podem classificar-se em:

Causas Humanas

• Causas Materiais




Prevenir é melhor que remediar

quarta-feira, 14 de abril de 2010


EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI´S

O Equipamento de Proteção Individual - EPI é todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado a proteção contra riscos capazes de ameaçar a sua segurança e a sua saúde.
O uso deste tipo de equipamento só deverá ser feito quando não for possível tomar medidas que permitam eliminar os riscos do ambiente em que se desenvolve a atividade, ou seja, quando as medidas de proteção coletiva não forem viáveis, eficientes e suficientes para a atenuação dos riscos e não oferecerem completa proteção contra os riscos de acidentes do trabalho e/ou de doenças profissionais e do trabalho.
Os equipamentos de proteção coletiva - EPC são dispositivos utilizados no ambiente de trabalho com o objetivo de proteger os trabalhadores dos riscos inerentes aos processos.
Como o EPC não depende da vontade do trabalhador para atender suas finalidades, a preferência pela utilização deste é maior em relação à utilização do EPI, já que colabora no processo aumentando a produtividade e minimizando os efeitos e perdas em função da melhoria no ambiente de trabalho.
Portanto, o EPI será obrigatório somente se o EPC não atenuar os riscos completamente ou se oferecer proteção parcialmente.

Conforme dispõe a Norma Regulamentadora 6 - NR-6, a empresa é obrigada a fornecer aos empregados, gratuitamente, EPI adequado ao risco, em perfeito estado de conservação e funcionamento, nas seguintes circunstâncias:

a) Sempre que as medidas de ordem geral não ofereçam completa proteção contra os riscos de acidentes do trabalho ou de doenças profissionais e do trabalho;

b) Enquanto as medidas de proteção coletiva estiverem sendo implantadas; e

c) Para atender a situações de emergência.

Compete ao Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho - SESMT, ou a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA nas empresas desobrigadas de manter o SESMT, recomendar ao empregador o EPI adequado ao risco existente em determinada atividade.

Os tipos de EPI´s utilizados podem variar dependendo do tipo de atividade ou de riscos que poderão ameaçar a segurança e a saúde do trabalhador e da parte do corpo que se pretende proteger, tais como:

• Proteção auditiva: abafadores de ruídos ou protetores auriculares;

• Proteção respiratória: máscaras e filtro;

• Proteção visual e facial: óculos e viseiras;

• Proteção da cabeça: capacetes;

• Proteção de mãos e braços: luvas e mangotes;

• Proteção de pernas e pés: sapatos, botas e botinas;

• Proteção contra quedas: cintos de segurança e cinturões.

O equipamento de proteção individual, de fabricação nacional ou importado, só poderá ser posto à venda ou utilizado com a indicação do Certificado de Aprovação - CA, expedido pelo órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego.

Dentre as atribuições exigidas pela NR-6, cabe ao empregador as seguintes obrigações:

• Adquirir o EPI adequado ao risco de cada atividade;

• Exigir seu uso;

• Fornecer ao trabalhador somente o equipamento aprovado pelo órgão, nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho;

• Orientar e treinar o trabalhador sobre o uso adequado, guarda e conservação;

• Substituir imediatamente o EPI, quando danificado ou extraviado;

• Responsabilizar-se pela higienização e manutenção periódica; e

• Comunicar o MTE qualquer irregularidade observada;

O empregado também terá que observar as seguintes obrigações:


Utilizar o EPI apenas para a finalidade a que se destina;

• Responsabilizar-se pela guarda e conservação;

• Comunicar ao empregador qualquer alteração que o torne impróprio ao uso; e

• Cumprir as determinações do empregador sob o uso pessoal;

Os Equipamentos de Proteção Individual além de essenciais à proteção do trabalhador, visando a manutenção de sua saúde física e proteção contra os riscos de acidentes do trabalho e/ou de doenças profissionais e do trabalho, podem também proporcionar a redução de custos ao empregador.

É o caso de empresas que desenvolvem atividades insalubres e que o nível de ruído, por exemplo, está acima dos limites de tolerância previstos na NR-15. Neste caso, a empresa deveria pagar o adicional de insalubridade de acordo com o grau enquadrado, podendo ser de 10%, 20% ou 40%.

Com a utilização do EPI a empresa poderá eliminar ou neutralizar o nível do ruído, já que com a utilização adequada do equipamento, o dano que o ruído poderia causar à audição do empregado, será eliminado.

A eliminação do ruído ou a neutralização em nível abaixo do limite de tolerância isenta a empresa do pagamento do adicional, além de evitar quaisquer possibilidades futuras de pagamento de indenização de danos morais ou materiais em função da falta de utilização do EPI.

PROTEÇÃO A VIDA HUMANA OPERÁRIA



segunda-feira, 12 de abril de 2010

QUE DIA É HOJE???

COMEMORAÇÕES DO DIA 12 DE ABRIL

DIA DO OBSTETRA
Quem vai prestar assistência ao parto? No Brasil, tradicionalmente é o médico obstetra. É importante saber que as enfermeiras obstetras também são capacitadas a fazer parto normal e, em alguns hospitais, já têm exercido esta função! Existem, ainda, especialmente nas regiões mais afastadas dos centros urbanos, as parteiras tradicionais. Cada profissional tem sua particularidade. A formação da enfermeira obstetra dá mais ênfase ao parto como processo fisiológico normal do que a formação médica que se baseia justamente em saber tratar e diagnosticar possíveis complicações.

DIA DA PARTEIRA
A "obstetra" de antigamente e ainda ocorrem especialmente nas regiões mais afastadas dos centros urbanos.

DIA DA CARTA RÉGIA
Com a chegada da família real ao Brasil em 23/01/1808, os ingleses intensificaram as pressões políticas junto ao Príncipe Regente, de modo que de imediato, D. João expedira Carta Régia datada de 28 de Janeiro de 1808, abrindo os portos do Brasil às nações amigas.

DIA DA INTENDÊNCIA DO EXÉRCITO
Atende aos objetivos do Exército Brasileiro no que se refere a logística voltada para atividades de suprimento. O símbolo é o acanto, originário da Grécia e Itália.

DIA DO COSMOS

O Universo.
Viva a nossa CASA: O UNIVERSO!!!

MORRE O FILÓSOFO ROMANO SÊNECA
Lúcio Aneu Séneca) ou Sêneca) (em latim: Lucius Annaeus Seneca; Corduba, 4 a.C. — Roma, 65 d.C.) foi um dos mais célebres escritores e intelectuais do Império Romano.

Conhecido também como Séneca (ou Sêneca), o Moço, o Filósofo, ou ainda, o Jovem, sua obra literária e filosófica, tida como modelo do pensador estóico durante o Renascimento, inspirou o desenvolvimento da tragédia na dramaturgia européia renascentista.

EM 1204 –FORMAM-SE AS CRUZADAS
As cruzadas foram uma série de campanhas militares, entre os séculos XII e XIII, contra os muçulmanos, a pretexto de recuperar a Terra Santa.

YURI A. GAGARIN TORNA-SE O PRIMEIRO HOMEM A IR AO ESPAÇO

O soviético Yuri Alekseyevich Gagarin (1934-1968) foi o primeiro homem da História a embarcar em uma missão espacial, em 12 de abril de 1961. Seu vôo ...

*** VALE Á PENA LER MAIS ***

Fonte: Wikipédia

sábado, 10 de abril de 2010

PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais)



O Que é PPRA?

A sigla PPRA significa Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. É uma obrigação de todas as empresas que contratam funcionários (empregados ou celetistas) em sua empresa. Esse programa é constituído pela Norma Regulamentadora NR-9 da CLT e uma exigência legal do Ministério do Trabalho.

O PPRA nada mais é do que um programa contínuo para prevenir diversos tipos de riscos ambientais. Esse programa deve assegurar a preservação da saúde dos funcionários mediante sua exposição a diversos agentes contaminadores:

Agentes Biológicos: os fungos, as bactérias, vírus, focos de transmissões de doenças e infecções em geral, vírus, protozoários, parasitas, etc.



Agentes Químicos: pó, inalação por tabaco, gases tóxicos ou não e etc.



Agentes Físicos: barulhos, temperaturas altas, radiações em geral e etc.

Para que serve o PPRA?

O PPRA serve como uma prevenção de riscos ambientais aos funcionários e para anteciparqualquer risco desse tipo que possa ocorrer no futuro e prejudicar os trabalhadores.

Como Funciona o PPRA?

A norma (NR-9) da CLT deve ser respeitada para a elaboração do mapeamento dos riscos ambientais causados pela empresa. O programa ajuda a reduzir diversos gastos, principalmente com Saúde e define quem tem direito a receber insalubridade.

Objetivos do programa (PPRA)

O objetivo primordial e final é evitar acidentes que possam vir a causar danos à saúde do trabalhador, entretanto existem objetivos intermediários que assegurarão a consecução da meta final.

Objetivos intermediários:

• Criar mentalidade preventiva em trabalhadores e empresários.

• Reduzir ou eliminar improvisações e a "criatividade do jeitinho".

• Promover a conscientização em relação a riscos e agentes existentes no ambiente do trabalho.

• Desenvolver uma metodologia de abordagem e análise das diferentes situações ( presente e futuras) do ambiente do trabalho.

• Treinar e educar trabalhadores para a utilização da metodologia.

sexta-feira, 9 de abril de 2010

PROJETO DE LEI

Projeto cria bacharelado em Segurança do Trabalho


Data: 13/01/2010 / Fonte: Agência Câmara


O deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG) apresentou o Projeto de Lei 6179/09, que institui o bacharelado em Segurança do Trabalho, com os títulos de bacharel e de agente superior. O objetivo é formar profissionais de nível superior com melhor qualificação do que a de técnico em segurança do trabalho, previsto na legislação trabalhista vigente.

O autor afirma que a Segurança do Trabalho é fundamental para a economia e sustenta que a profissão de técnico na área, criada há mais de 30 anos, não está adequada à realidade atual.

"É necessário formar um profissional de curso superior capaz de exercer atividades que se ajustem à nossa época, diante da complexidade das exigências sociais do mercado de trabalho", afirma o deputado.

O projeto inclui dispositivos na Lei 7410/85, que trata da profissão de técnico de segurança do trabalho e da especialização de engenheiros e arquitetos na área.

Segundo Bonifácio de Andrada, "o profissional da segurança do trabalho é tão importante que a legislação faz referência a uma campanha nacional de segurança de prevenção de acidentes do trabalho, a qual, logicamente, exige profissionais graduados".

O projeto estabelece que o novo curso terá currículo fixado pela Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Medicina e Segurança do Trabalho (Fundacentro) ou por universidades. E determina que os alunos aprovados no curso técnico tenham preferência no processo seletivo do curso universitário.



Tramitação

Sujeita à apreciação conclusiva, o projeto será analisado pelas comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; de Educação e Cultura; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

DIA 07 DE ABRIL COMEMORAMOS NO MUNDO O DIA MUNDIAL DA SAÚDE!!!

Dia Mundial da Saúde


Definindo Saúde...
A definição de saúde possui implicações legais, sociais e econômicas dos estados de saúde e doença; sem dúvida, a definição mais difundida é a encontrada no preâmbulo da Constituição da Organização Mundial da Saúde:

“saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doenças.”

Quando foi criado o Dia Mundial da Saúde

O Dia Mundial da Saúde foi criado em 7 de abril de 1948, pela Organização Mundial de Saúde – OMS,

Quando a Organização Mundial de Saúde foi criada, pouco após o fim da Segunda Guerra Mundial, havia uma preocupação em traçar uma definição positiva de saúde, que incluiria fatores como alimentação, atividade física, acesso ao sistema de saúde e etc. O "bem-estar social" da definição veio de uma preocupação com a devastação causada pela guerra, assim como de um otimismo em relação à paz mundial — a Guerra Fria ainda não tinha começado.

A OMS foi ainda a primeira organização internacional de saúde a considerar-se responsável pela saúde mental, e não apenas pela saúde do corpo. fundamentado no direito do cidadão à saúde e na obrigação do Estado na promoção da saúde.

O Saneamento Ambiental

Ao longo da história da humanidade, o saneamento ambiental tem sido o instrumento mais eficaz para a promoção da saúde. Nesse sentido, o depoimento da moradora de uma favela do Recife, no lançamento do programa “Fome Zero”, pelo Presidente Lula, foi decisivo: "O que o pessoal precisa mesmo é de uma casa com água e esgoto. Tendo uma habitação digna, a comida a gente consegue”.
As nossas primeiras lembranças quando se fala em saúde são assistência médica, hospital, remédio... Essas coisas, no entanto, constituem apenas um componente no campo da saúde. Muitas vezes, é mais importante ter água potável, ambiente e alimentos saudáveis. Tudo isso, quando bem feito, resulta em um bom nível de saúde pública.

Saúde pública é mais do que o somatório da saúde das pessoas. É instrumento para o desenvolvimento social e econômico e está intimamente relacionada com a paz, educação, habitação e eqüidade. É fantástico o alcance dos benefícios do saneamento ambiental, principalmente nas camadas menos favorecidas da população. Imagine, por exemplo, 34 milhões de pessoas que nunca foram ao dentista, como indica pesquisa do IBGE, recebendo água com flúor. O imenso contingente de doentes que superlota os Centros de Saúde, na maioria das vezes, é proveniente de áreas sem saneamento ambiental. Dados da OMS indicam que nessas regiões a incidência anual de doenças diarréicas atinge cerca de um bilhão de pessoas e mais 1,5 bilhões são infectadas por helmintíases.

O saneamento ambiental tem efeito imediato na redução dessas enfermidades ao romper o círculo vicioso que se estabelece quando o paciente é medicado e devolvido para o ambiente insalubre.

Alívio Orçamentário no Setor de Saúde...
Ao reduzir as filas nos Centros de Saúde, o saneamento ambiental representa importante alívio orçamentário no Setor Saúde, compensando, com folga, os investimentos. Saturnino de Brito e Oswaldo Cruz foram os profissionais que mais se destacaram nas primeiras reformas sanitárias realizadas no Brasil, respectivamente, pela implantação dos serviços de água e esgotos, e pelas campanhas de vacinação, nas grandes cidades do litoral.

Atualmente, são mais de 170 mil trabalhadores envolvidos direta e indiretamente com saneamento ambiental que se destacam, pela grandeza da sua missão.

A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental – ABES e a Faculdade de Saúde Pública da USP, que fomentam iniciativas para a formação e especialização de profissionais na área do saneamento ambiental, e oferecem espaço para discussão dos assuntos relacionados com saneamento ambiental e saúde pública, neste dia, cumprimentam os trabalhadores das empresas de saneamento básico, dos serviços municipais de água e esgotos, das empresas de coleta de lixo, dos catadores de material reciclável, dos professores e consultores, enfim de todos aqueles que, muitas vezes, não têm consciência de que são os verdadeiros agentes da saúde pública.



Fonte: O.M.S.
Fonte: Getúlio Martins
Coordenador do Comitê de Saúde Pública da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental – ABES/SP


* TENHA UM DIA SAUDÁVEL PRATICADO PENSAMENTOS E ATITUDES DE VALOR *