Total de visualizações de página

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

RISCO RURAL E ERGONOMIA PREVENTIVA

O Brasil é o campeão mundial de acidentes fatais no meio rural, segundo a Organização Internacional do Trabalho - OIT, onde muitas vidas são ceifadas, além dos prejuízos econômicos e ambientais.

Os Engenheiros de Segurança do Trabalho e os profissionais das Ciências Agrárias, em especial os Engenheiros Agrônomos, Engenheiros Florestais e Engenheiros Agrícolas, têm atribuições profissionais legais para atuarem na segurança de todas as atividades no meio rural, assim como o Técnico em saúde e Segurança no Trabalho também contribui para manter e formar tecnicamente esta prevenções e atuações nos meios urbanos e rurais, porém a maioria dos cursos de graduação dessas profissões não contempla ensinamentos nessa área.
Capacitar em Segurança do Trabalho no Meio Rural-STMR visa sanar esta lacuna, com um Plano de Curso baseado em treinamentos oferecidos a algumas Associações de Engenheiros Agrônomos e Conselhos Regionais de Engenharia, Arquitetura e Agronomia, e no programa do Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho da Universidade de Passo Fundo, RS de autoria do Prof. Dr. Moisés Souza Soares.
O SMTR é apresentado em cinco módulos aos interessados em minimizar e prevenir contra sinistros no âmbito rural. 
Tipos de acidentes que são de maior causa de sinistro no campo:
1. Uso Seguro de Agrotóxicos;
2. Destino das Embalagens Vazias de Agrotóxicos;
3. Segurança em Armazéns de Grãos;
4. Uso Seguro de Máquinas e Implementos Agrícolas;
5. Perigos da Natureza.
Os objetivos gerais do SMTR  são para capacitar o trabalhador rural em:

I. Usar com segurança os agrotóxicos;
II. Conhecer o destino a ser dado às embalagens vazias;
III. Conhecer as normas de segurança do trabalho;
IV. Conhecer os perigos condicionados pela natureza.

Os objetivos específicos de cada módulo são:

Uso Seguro de Agrotóxicos: possibilitar aos profissionais identificar as situações de risco, inclusive no que diz respeito ao armazenamento e transporte dos produtos químicos. Conhecer e identificar os equipamentos apropriados a cada situação bem como suas limitações, conservação, duração e principalmente o uso correto e seguro desses equipamentos.

Destino das Embalagens Vazias de Agrotóxicos: abordar um dos maiores problemas ambientais causados pelo uso de produtos químicos, apresentando a situação frente à nova legislação bem como os procedimentos de ordem técnica e legal, para todos os envolvidos no processo. Conhecer o diferente destino dado às embalagens vazias, dos postos de recebimento ao preparo para a reciclagem.

Segurança em Armazéns de Grãos: conhecer e identificar os acidentes, muitas vezes fatais, nos trabalhos em armazéns de grãos, que têm sido causado, na maioria das vezes, por desconhecimento de normas de segurança ou mesmo falta de equipamento de segurança. Verificar todas as situações de risco e possibilitar ao participante, estabelecer esquemas de segurança (inclusive com treinamento dos trabalhadores no que diz respeito ao seu acompanhamento) e a usar corretamente o EPI.
Uso Seguro de Máquinas e Implementos Agrícolas: reduzir os acidentes causados pelo uso incorreto de máquinas e implementos no meio rural, bem como no manejo das mesmas. Conhecer os procedimentos adequados de manejo e manutenção de máquinas e implementos agrícolas para evitar os acidentes.
Perigos da Natureza: conhecer e identificar os principais animais peçonhentos e venenosos, os vegetais tóxicos e os fenômenos metereológicos para previnir acidentes e tomar as medidas de primeiros socorros.
Ergonomia na qualidade e na usabilidade dos produtos e máquinas. 
A ciência da ergonomia pode desde suas origens, ao tratar da interface entre homem e máquina refuta o paradigma do acidente de trabalho a falha humana.
A qualidade compreende as características do produto que atendem às necessidades dos usuários e, desse modo, propiciam a satisfação com o produto. A produção de máquinas tratoras sem defeitos é de se esperar, portanto não basta este item para assegurar a satisfação do usuário.
Os usuários de máquinas tratoras querem não somente tecnologia, mas também segurança ao operarem as máquinas. Sendo que, os usuários podem ser homens, mulheres, idosos, saudáveis fisicamente ou não. Facilitando para esta gama de diferenciações entre os usuários a qualidade das máquinas.
A ergonomia tornou-se conhecida e respeitada ao uso dos atributos ergonômicos, como facilidade de uso, entendimento no aprendizado, alta produtividade, conforto e segurança. Estes elementos acrescentam a qualidade às máquinas tratoras e logo percebidas por seus usuários, principalmente tratando-se da segurança, que podem causar lesões ou mesmo a morte dos usuários.
Para Grandjean (1998), a ergonomia pode ser definida como a ciência da configuração das ferramentas, das máquinas e do ambiente do trabalho. O alvo da ergonomia destaca Grandjean, é o desenvolvimento das bases científicas para a adequação das condições de trabalho às capacidades e realidades da pessoa que trabalha.
Para complementar este conceito, Dul e Weerdmeester, (1995), dizem que a ergonomia surge como um dos fatores mais importante na redução do uso inadequado de equipamentos, sistemas e tarefas, além de contribuir na prevenção de erros operacionais, melhorando o desempenho.
A ergonomia preventiva é aplicativa e efetiva, pois traz os resultados dos tratamentos científicos de modelagem da realidade e de levantamento do estado da arte de problemas ao desenvolvimento de tecnologia de interfaces para a concepção, análise, testagem, normalização e controle dos sistemas de trabalho.

São assuntos aplicativos de ergonomia, portanto a concepção de sistemas de trabalho sob o ponto de vista da atividade das pessoas que nele se integram, de produtos sob o ponto de vista de uso e manuseio pelos adquirentes, de sistemas informatizados sob ótica da usabilidade (interatividade facilitada, amigabilidade, customização, etc) de estruturas organizacionais do ponto de vista dos que nela trabalham (Vidal, 1998).
 
A ergonomia pretende melhorar os sistemas de trabalho adequando às atividades desempenhadas em suas características, habilidades e limitações dos operadores de máquinas procurando com estas melhorias os desempenhos eficientes, confortáveis e com segurança.

Sendo que, para estes critérios de melhorias necessita qual a tecnologia a que a ergonomia está referida ou que possua um referencial de suas metas, propósitos e critérios.
Esta tecnologia é a tecnologia de realização, de interfaces entre as pessoas e os sistemas, ou seja, definir uma cumplicidade nas adequações entre os aspectos humanos presentes na atividade de trabalho e os demais componentes dos sistemas de produção: tecnologia física, ambiente, softwares, e organização de trabalho.

Qualquer forma de integração entre o homem e os demais componentes de trabalho constitui-se em uma interface. As interfaces adequadas deverão atender de forma conjunta, integrada e coerente os critérios de conforto, eficiência e segurança.
A ergonomia deve preparar o trabalhador para realizar seus trabalhos num campo de atuação seguro e saudável, reduzindo ao máximo sua periculosidade e insalubridade, proporcionando maior conforto e interatividade com o espaço de trabalho. Desenvolve atenção e foco para maior desempenho e produtividade de excelência.

FONTES:
CARDELLA, B. Segurança no trabalho e prevenção de acidentes. São Paulo: Atlas, 1999,
GRANDJEAN, E. Manual de ergonomia: adaptando o trabalho ao homem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.  
ALERTA EM PORTO VELHO:
SURTO DE CATAPORA/VARICELA...
 *PREVINA-SE & INFORME-SE TRABALHADOR... 

A prefeitura de Porto Velho por meio da secretaria municipal de Saúde (Semusa) alerta para surto de catapora que vem atingindo os moradores da cidade no último mês.

A doença conhecida pelas manchas na pele que provocam coceiras e viram pequenas feridas é causada por um vírus e é altamente contagiosa.

Foram detectados de maio até julho deste ano 238 casos atendidos somente no hospital Cosme e Damião e um caso de óbito está sendo investigado.
Segundo Rute Bessa, do Departamento de Vigilância Epidemiológica e Ambiental, o surto é um aumento inesperado da doença com relação aos anos anteriores.
A varicela (catapora) pode ocorrer durante o ano todo, porém durante os meses de agosto a novembro ocorrem surtos em creches e escolas. “Está disponível para toda a população o atendimento ambulatorial em todas as Unidades de Saúde.
Os casos mais graves são encaminhados para o hospital Cosme e Damião, esses se devem pelo agrupamento de outras enfermidades causando um agravamento da doença”, afirma Rute.
Modo de Transmissão
A transmissão é por contato direto de pessoa a pessoa através do falar, espirrar ou tossir e pelo contato com as lesões infectadas na pele. O período de incubação é cerca de 10 a 21 dias depois da exposição ao vírus. O período de transmissão varia de 1 a 2 dias antes, até 5 dias após o aparecimento das feridas. Enquanto houver os machucados a infecção é possível.
Medidas de controle
Para Rute Bessa a melhor medida é o afastamento de 07 a 10 dias e procurar assistência em postos de saúde. “Uma medidade controle seria higiene através do banho e corte das unhas”, comenta Rute. Além da vacina para imunizar contra o vírus.
Orienta-se que as escolas estejam dispensando os alunos que apresentem catapora e que recomendem aos pais a procura por uma Unidade de Saúde. Existe uma vacina, porém está disponível, até o momento, apenas para pessoas com doenças cardíacas e portadoras de HIV na rede pública, e custa em torno de R$ 150,00(cento e cinqüenta Reais) na rede privada de saúde

CULINÁRIA FÁCIL: BRUSCHETTA DE FRANGO

<>
QtdeMedidaIngrediente
1
Unidade
Pão italiano
1
Colher de sopa
Azeite de oliva
4
Unidades
Filés de peito de frango
1/2
Colher de chá

Sal


tomates cereja cotado julienne
1
1
Xícara

Xícara


Maionese hellmann's deleite
3
Colheres de sopa
Uva passa clara
1
Unidade
Cenoura pequena
1
Unidade
Maçã verde
1
Xícara
Brotos de agrião/rúcula/acelga/alface


Queijo e Azeite (para regar) á gosto!!!

Modo de Preparo

1. Pré-aqueça o forno em temperatura média (180°c). Rale a cenoura e fatie a maçã em fatias bem finas.
2. Corte o pão italiano em 4 fatias grossas na diagonal. Regue com um fio de azeite um dos lados de cada fatia de pão, coloque em uma assadeira média (33 x 23cm) e leve ao forno por 10 minutos. Retire do forno e reserve. Dica: se você não encontrar o pão italiano com sementes de papoula, corte fatias de pão italiano, pincele levemente azeite nas laterais e cubra com sementes de papoula.
   3. Aqueça o azeite em uma frigideira grande ou uma grelha e doure os filés de frango. Tempere com o sal, retire do fogo e corte em tiras grossas. Reserve. Se gostar você pode salpicar salsinha picada ou tomilho fresco picado sobre os filés de frango antes de grelhar.
4. Para montar as brusquetas espalhe a maionese sobre as fatias de pão. Cubra com a uva passa e a cenoura.
5. Coloque no sentido horizontal as tiras de frango grelhadas alternadas com as fatias de maçã e cubra com o broto de agrião. Sirva em seguida.

Nenhum comentário: