Total de visualizações de página

segunda-feira, 27 de outubro de 2014



QUAIS OS RISCOS ASSOCIADOS AO USO DO CIMENTO NA CONSTRUÇÃO CIVIL?!?!
O cimento é uma das matérias primas mais utilizadas na construção civil e, não obstante, uma das grandes fontes de contaminação. 

Através deste estudo, objetivamos a divulgação de um material que destaque as propriedades, os riscos e os meios de evitar a contaminação por meio deste produto. 

Afinal, quais são os riscos causados pelo cimento à saúde do trabalhador através do uso e exposição? 

É possível evitar as doenças ocupacionais causadas pelo produto? 

Buscaremos, no decorrer deste artigo, responder tais questionamentos através das pesquisa e exemplos. 

Para que melhor compreendamos, o cimento é um agente químico que pode ser inalado por via respiratória, contato direto com a pele e mucosas ou, ainda, pela ingestão por via oral. Inicialmente, propomos uma apresentação das características deste material, seguido de alguns exemplos de patologias associadas ao uso do produto e, por fim, com base nas normas regulamentadoras de segurança e saúde do trabalho, as medidas de segurança e prevenção capazes de evitar danos à saúde do trabalhador. 

Desta forma, cremos que este material possa revelar uma nova visão sobre o tema, destacando a responsabilidade e consciência dos trabalhadores e colaboradores a fim de evitar futuros prejuízos à saúde.
Caracterização do cimento 

Para melhor caracterizarmos, consideram-se agentes – de risco –químicos as substâncias, compostos ou produtos que possam penetrar no organismo do trabalhador sejam por inalação, através das vias respiratórias, sejam sob a forma de poeiras, fumos, gases, neblinas, névoas ou vapores, por absorção dérmica (através da pele) ou por ingestão. 

Segundo COSTA (2004), estes agentes podem gerar efeitos mutagênicos, carcinogênicos, teratogênicos, organotóxicos e imunotóxicos no organismo.  

Como agente químico, o cimento é classificado como poeira inerte. Sua  coloração é cinza e, quando manuseado (depositado em betoneiras), dispersa uma grande quantidade de poeira no ar. No momento em que ocorre a dispersão, o maior risco está no tamanho da partícula (que pode ser inalado) e em sua composição (em contato com a pele).

 Basicamente, o material é formado por álcalis, ou seja, uma mistura de argila e calcário – rocha de carbonato de cálcio – também conhecido como farinha. Mais especificamente, na composição dos cimentos mais comuns contém Óxido de Cálcio (CaO), Sílica (SiO2), Alumina (Al2O3), Óxido férrico (Fe2O3), Anidrido sulfúrico (SO3), Óxido de magnésio (MgO), Óxido de potássio (K2O), Óxido de sódio (Na2O) e Cloro (Cl).
Durante o seu processo de fabricação, essas duas matérias primas são levadas à fábrica, onde são moídas, formando um fino pó. Este último é armazenado em silos a fim de proporcionar uma mistura de consistência homogênea. A seguir, essa mistura é levada até a torre de preaquecimento, onde é submetida à temperaturas de até 900ºC. 

Após a passagem por um forno rotativo (à temperatura de 14500ºC), a mistura forma bolotas (conhecido como clínquer) que, ao sair do forno, será armazenado em um depósito circular para resfriamento. Ao final, ocorrerá a moagem transformando-o em 
pó. Assim, será empacotado em sacos e distribuído.

 Quando utilizado nas construções, o cimento necessita de água para formar a pasta. Neste processo, o cimento sofre um processo de cristalização e, boa parte deste líquido evapora com o calor gerado pela reação exotérmica. O material receberá, além de características de rocha artificial, uma considerável resistência mecânica. Contudo, o cimento pode trincar e sofrer fissuras. Para evitar que isto ocorra é colocada a areia. Esta combinação de cimento, areia e água é chamada de argamassa.

Nas construções, o acréscimo de agregado graúdo (cascalho ou pedra britada, por exemplo) à argamassa, dá-se o nome de concreto simples. Para a composição deste último são necessárias determinadas dosagens, também conhecidas como traços. Por fim, devemos ressaltar que, neste processo, a função do cimento é imprescindível, pois, trata-se de um aglomerante, ou seja, possui a propriedade de unir os outros materiais. 

Os riscos causados pelo uso do cimento:

A utilização do cimento, sem o uso de equipamentos de proteção adequados, poderá acarretar sérios danos à saúde do trabalhador. É classificado como ‘material irritante’, ou seja, reage em contato com a pele, com os olhos e vias respiratórias. Para melhor compreendermos, o cimento reage em contato com a epiderme devido à sua umidade (transpiração do corpo), após contato prolongado. A liberação de calor, por reação em contato com superfície líquida, provoca lesões que variam desde queimaduras até dermatites de contato.
É comum observar a ação alcalina do cimento sobre a superfície da pele (em especial, mãos e pés) nos operários da construção civil. O cimento exerce um efeito abrasivo sobre a camada córnea da pele. As lesões são claramente visíveis: vermelhidão (eritema), inchaço (edema), eczema, bolhas, fissuras e necrose do tecido. 

Em situações especiais de contato, por exemplo, poderia ocorrer o ingresso do cimento no interior de um EPI – como a bota – e, o atrito com a pele, provocaria ulcerações, culminando em necrose. Os cuidados devem ser redobrados coma sensibilidade dos olhos: o cimento pode causar irritações conjuntivas e até mesmo lesões mais graves e irreversíveis como a cegueira. As imagens a seguir exemplificam algumas lesões (dermatites de contato) causadas pelo contato com o cimento sem a 
devida ou correta utilização de equipamentos de proteção individual:



O último foco de análise dos riscos destaca a inalação de poeiras deste material. O tempo de exposição à poeira – sem os devidos métodos de segurança que serão destacados posteriormente - é o ponto chave neste processo. Estima-se que o período entre 10 a 20 anos de exposição às poeiras são suficientes para o desenvolvimento de doenças pulmonares, as chamadas pneumoconioses. As pneumoconioses são patologias resultantes da deposição, por inalação, de partículas sólidas nos pulmões. O quadro é agravado com o passar dos anos. 

A poeira inalada permanece depositada nos pulmões, criando um quadro de fibrose, ou seja, o endurecimento do tecido pulmonar. A capacidade elástica dos pulmões é comprometida.Dentre as pneumoconioses mais conhecidas destacamos a Silicose e a Asbestose. A silicose é uma patologia pulmonar causada pela inalação de sílica livre cristalizada (quartzo). Ocorre um processo de fibrose, com formação de nódulos isolados e nódulos conglomerados e disfunção respiratória nos estágios avançados. 

Dentre as atividades mais suscetíveis ao risco de contaminação, destacam-se o beneficiamento de minerais, o jateamento de areia, cavação de poços e o beneficiamento de cimento.
ASBESTOSE - O QUE É ISSO?!?!? VEJAMOS:
A asbestose é outra patologia causada pelo depósito de asbesto ou amianto nos pulmões, é cancerígena. Dentre as atividades mais suscetíveis ao risco de contaminação, destacam-se a fabricação de cimento-amianto atividades com materiais de fricção (pastilhas de freio), além da produção de pisos e produtos têxteis.

O diagnóstico pode ser realizado através de abreugrafia (Raios-X de tórax), além do histórico clínico e ocupacional do trabalhado
Há uma variedade grande de patologias, a listagem de outras como, por exemplo, pulmão negro, enfisema, asma, bronquite, entre outras aqui destacamos somente a silicose e a asbestose.

Essa caracterização anterior ressalta a importância da realização de exames periódicos bem como da utilização de medidas de controle e segurança no ambiente de trabalho para trabalhadores expostos ao risco. Estas informações enfatizam a realização dos exames periódicos.


NR 15

 Norma Regulamentadora 15 - (NR-15, Anexo Nº 12) observamos os ‘Limites de Tolerância para Poeiras Minerais’, destacando os Asbestos o Maganês e seus compostos e a Sílica livre Cristalizada. As operações – serviços e atividades – caracterizadas pela dispersão de poeira de silicatos são consideradas insalubres de grau máximo. Não obstante, segundo a Norma Regulamentadora 4, que 
trata sobre ‘Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho – SESMT'.

O “asbesto”, para fins da NR-15, também denominado amianto, pertence ao grupo das rochas metamórficas. A “exposição ao asbesto” remete às fibras de asbesto respiráveis ou poeira de asbesto em suspensão no ar, estas, presentes em materiais que os contenham.

Cabe ao empregador, para fins de segurança, a elaboração de procedimentos adotados em situações de emergência, ou seja, qualquer evento não programado dentro do processo habitual, informando convenientemente o trabalhador e treinando-o de forma específica.

Para fins de análise, deve-se considerar, para efeito de normatização, a avaliação do nível de ‘Sílica Livre Cristalizada’ em suspensão conforme dados obtidos em análise de amostragens.

NR 06

Os métodos de proteção com o objetivo de evitar o contato com os agentes químicos, como o cimento, são, sem dúvidas, as proteções individuais e as coletivas. Neste caso, dentre os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) – NR-6 –, listamos luvas e botas de borracha (impermeáveis), máscaras e óculos de proteção, além de capacete e vestimentas adequadas – resistentes – à atividade.

Quanto aos Equipamentos de Proteção Coletiva (EPCs), listamos:

 Isolamento e sinalização das áreas de riscos;
 Ventilação exaustora local;
 Medidas de higiene pessoal e coletiva (lavatórios, chuveiros, vestiários 
e sanitários);
 Enclausuramento total ou parcial do processo de produção;

Destacamos, ainda, a higiene do trabalho através de banhos obrigatórios após o trabalho e a troca diária de roupa (limpa) por conta da empresa. É aconselhável o uso de creme hidratante para a pele. As medidas de higiene e segurança listadas anteriormente devem ser adotadas e praticadas no  ambiente de trabalho com o propósito de melhorar a qualidade e integridade dos operários.

Sabemos que  o cimento é um material de grande importância para a construção civil. Suas propriedades físico-químicas favorecem a estanqueidade e resistência das obras. Porém, dentro da avaliação principal deste trabalho, acerca dos riscos da sua utilização, observamos sérios problemas como as dermatoses e as pneumoconioses.

Portanto, encaminhando para o final, destacamos a importância do processo de gestão de segurança e saúde do trabalho: desde a utilização de medidas de controle e prevenção como, a aplicação de EPCs, a avaliação de amostragens, o uso obrigatório de EPIs e a realização de exames médicos periódicos. Assim, através desta divulgação e da prática, através de cuidados preestabelecidos, cremos que a atividade com o cimento possa ser realizada de forma segura, preservando a saúde e integridade do trabalhador.

FONTE: BARBOSA FILHO, Antonio Nunes. Segurança do trabalho & gestão ambiental. – 4ª ed. – São Paulo: Atlas, 2011.
COSTA, Marco Antonio F. da. Segurança e saúde no trabalho: cidadania, competitividade e produtividade. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2004.
Segurança e Medicina do Trabalho. 68ª Edição. São Paulo: Atlas, 2011


AOS AMIGOS PREVENCIONISTAS:

 O Comitê Permanente Regional do 

Trabalho sobre Condições e Meio A

mbiente do Trabalho na Indústria da 

Construção do Estado de Rondônia – 

CPR-RO,

VAI REALIZAR O EVENTO ABAIXO

 NOS DIAS 30 E 31 DE 

OUTUBRO/2014!!!

PARTICIPAR É MELHORAR OS 

CONHECIMENTOS E SAIR NA 

FRENTE DOS QUE AINDA NÃO 

SABEM QUE O SUCESSO É FRUTO DE 

SABER E APRIMORAR ESSE SABER 

SEMPRE ATUALIZADOS.

INSCREVA-SE:


PARA NOSSAS: 
MEDIÇÕES E PROJETOS,  
DDS, PALESTRAS,
 WORKSHOP'S, TREINAMENTOS, 

INSTITUIÇÃO E CURSO 

DE CIPA, NR's, 

CURSOS DE ORATÓRIA, 5 'S', 

SEUS DIREITOS TRABALHADOR 

 EMPRESA, HIGIENE 

 COMPORTAMENTO 

ORGANIZACIONAL,

CONTATE-NOS PELOS E-MAIL'S: 

ecs559@hotmail.com 

liliansat9@hotmail.com 



PARABÉNS TST'S!!!

$$$EMPREENDA, FAÇA E VENDA$$$

CULINÁRIA FÁCIL:

Pizza de Pão de Queijo



Ingredientes

1 xícara (chá) de água
Sal a gosto
1 xícara (chá) de óleo
1 xícara (chá) de leite
2 xícaras (chá) de polvilho azedo
1 xícara (chá) de polvilho doce
3 ovos
1 xícara (chá) de queijo de minas meia cura padrão
Farinha de trigo
Recheio:
5 colheres (sopa) de molho de tomate pronto
150 g de presunto em fatias ou ralado
250 g de queijo mussarela ralado
Tomates em rodelas finas
Azeitonas
Catupiry
Ovos cozidos
Orégano
Modo de Preparo
Numa panela ferva a água com o sal, o óleo e o leite. Despeje sobre os polvilhos e misture até ficar homogêneo. Adicione os ovos, um a um, mexendo sempre. Junte o queijo e misture até incorporar. Deixe descansar por 30 minutos em uma superfície enfarinhada. Com um rolo abra a massa em um círculo de 30 cm de diâmetro e transfira para uma forma própria para pizza sem untar. Espalhe o molho, o presunto, a mussarela, o tomate, as azeitonas, o catupiry, os ovos e o orégano e leve ao forno médio, pré-aquecido, por 30 minutos ou até assar.


Flã de Morango:


Ingredientes

2 caixas de gelatina sabor morango
2 xícaras (chá) de água fervente
2 caixas de pudim sabor morango
4 xícaras (chá) de leite
4 claras
1/2 xícara (chá) de açúcar
Chantilly e morangos para decorar

Modo de Preparo

Dissolva as gelatinas na água fervente. Leve a geladeira até adquirir consistência de clara de ovo. Reserve.
Em uma panela, misture os pudins de morango e o leite.
Leve ao fogo brando, mexendo sem parar até engrossar.
Deixe esfriar e reserve. Na batedeira, bata as claras com o açúcar até formar picos firmes. Continue batendo, junte aos poucos a gelatina e o pudim reservados, até formar uma mistura homogênea.
Coloque em uma fôrma de 24cm de diâmetro, untada com óleo e leve a geladeira até firmar. Na hora de servir, desenforme e decore com morangos.


MENSAGEM:

Nenhum comentário: