Total de visualizações de página

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Aos nossos blogueiros que nos visitam e aos membros espontâneos deste blog de tst o meu:


Você Sabe Que Comprar JÓIAS é um Investimento Interessante?!?!?!?
O Dia das Mães acabou de passar e a próxima data que também movimenta bastante o mercado, principalmente o de jóias, é o Dia dos Namorados.
Entretanto, você sabe se comprar esses produtos confeccionados, sobretudo, a base de ouro e pedras preciosas também pode ser encarado como uma forma de investimento?
Para se chegar a uma resposta, vale a pena entender como o mercado de ouro se comporta.

De acordo com o coordenador do curso de gestão em finanças da Veris, Fabrício Ferreira, os investidores olham para o ouro como um investimento bastante seguro.

Assim, em momentos de crise financeira mundial, quando as economias nacionais passam por instabilidade, o preço do ouro sobe.
Isso quer dizer que se a intenção é comprar jóias feitas de ouro, é importante observar a cotação do metal no mercado.

 “Em momentos de crise, os investidores se assustam e correm para investimentos mais seguros como títulos do tesouro, dólar e ouro”, diz o professor.
O cenário atual, por exemplo, não é tão interessante para comprar, pois o metal está em um nível de preço muito elevado.

“Agora é um péssimo momento se alguém quiser comprar jóia para investir; O preço do ouro vai cair quando passar a crise”, avalia o professor.
Apesar de ser uma forma de investimento não tão tradicional, as jóias podem, sim, ser consideradas investimentos. A dica para quem for comprar é evitar as peças supervalorizadas por conta de design, por exemplo. O valor agregado desse trabalho dificilmente trará retorno. Isso quer dizer que se você compra uma peça feita por um designer famoso, por exemplo, quando quiser revender, não terá retorno por isso.
“Todo o valor que foi agregado na peça dificilmente se valoriza no tempo, a não ser em casos especiais”, diz o professo.

Ou seja, se você comprou uma peça de um profissional desconhecido e, posteriormente, ele fica famoso. São situações análogas as pinturas, explica o professor.
Redução dos juros nos empréstimos
Portanto, se o objetivo for investir, não compre as peças pensando no design. Além disso, observe como está a cotação do metal no mercado nacional. O professor ainda explica que uma vantagem de comprar jóias é o fato de ser possível usá-las como garantia em empréstimos, com juros bem interessantes.
Na Caixa Econômica Federal, por exemplo, a pessoa que quiser um empréstimo pode dar suas jóias como garantia e, caso aprovado, consegue um empréstimo com juros mais baixos.

“O banco avalia na hora o valor das jóias e te concedo o empréstimo com taxas de juros mais baixas do que as modalidades comuns”, diz o professor.
Vantagens de investir na compra de jóias
-Em momentos de crise, costumam subir bastante acompanhando principalmente o preço do ouro;
-Preservação do poder de compra. As jóias não perdem valor em cenário de alta inflação;
-Em momentos de dificuldades pessoais, é um poderoso colateral usado em empréstimos a juros muito abaixo dos juros de mercado nas casas de penhores;
-Liquidez mais alta do que alguns ativos físicos que também podem ser utilizados como reserva de investimento, tais como imóveis;
-Dificilmente haverá perdas significativas, como pode acontecer com ativos financeiros, tais como ações e títulos.
E as desvantagens desse investimento...
-Exceto nos momentos de crise, não costumam ter grande valorização. Às vezes, podem até ficar abaixo da inflação, considerando-se intervalos de um ou dois anos;
-Risco alto no Brasil, em função da segurança pública ser deficiente. As opções seriam guardar as jóias em empresas que fazema guarda em cofres ou fazer seguro. Ambas as opções incorrem em custos adicionais que podem corroer eventuais ganhos;
-Liquidez muito baixa na comparação com ativos financeiros. Em emergências, desfazer-se das jóias para obter recursos monetários pode representar uma perda significativa;
Oportunidades nos leilões de jóias
Quando o assunto é investimento, o advogado Diego Maturo foca na compra de jóias em leilões, principalmente os realizados pela Caixa Econômica Federal. “Eu veja os itens do catálogo, vejo os preços e faço uma pesquisa de mercado antes de arrematar”, explica.
Segundo ele, essa estratégia representa grande economia. Um anel de brilhantes de 10 pontos, que sairia R$ 1.000 no mercado, sai por R$ 300,00 num leilão. Caso alguma peça de um lote que tenha arrematado venha com algum defeito, você pode mandar restaurar, explica Maturo.
 


 O ACIDENTE ACONTECEU: E AGORA?

Tão importante quanto as medidas preventivas de acidentes são as medidas de minimização das consequencias do acidente. Lamentavelmente muitos profissionais e empresas ainda não entendem que as medidas pós acidente devem fazer parte do Programa de Segurança  do Trabalho.

Alguns colegas chegam a dizer que soa estranho que um prevencionista atue neste extremo; Costumo dizer a estes que se temos os olhos atentos a taxa de gravidade com certeza entenderemos bem o quanto as medidas de minimização são importantes já que á extensão de lesão ou dos danos esta diretamente ligada a quantidade de dias perdidos ou debitados como todos sabem estes fazem parte da Taxa de Gravidade.

Ao mesmo tempo – na relação da empresa  com as autoridades – interdição, descontinuidade das operações e com a comunidade – meios de comunicação, clientes, etc. – a diferença entre um acidente apenas com lesões ou morte, com incapacidade temporária ou definitiva – é fundamental. Obviamente dispensa comentar aqui o aspecto humano do assunto.
Vale também abrir um parênteses na direção da questão das ações de ressarcimento que a cada dia ganham mais espaço e em muitos dos casos – dependendo do tamanho da empresa – podem consumir recursos essenciais a sobrevivência do negócio. Em suma, em todos os aspectos a observação das medidas de minimização são por demais importantes para serem tratadas secundariamente. Um bom Programa de Segurança teve sem dúvida ter como parte essencial um bem estuado e testado programa de minimização.
UM POUCO DE TEORIA
Aprende-se nas boas e raras escolas de prevenção – que as oportunidades de controle estão classificadas em controle de pré contato, controle de contato e controle de pós contato. Para quem não está muito familiarizado com tais termos é importante deixar claro que nesta linha de raciocínio ACIDENTE é resultado do contato com uma substância ou energia acima da capacidade limite do corpo humano.

De forma grosseira poderíamos dizer aqui que também para os agentes mecânicos existe algo assim como uma série de limites de tolerância. Evitar os contatos ou mantê-lo dentro de tais limites é a arte da prevenção.
Na fase do pé contato desenvolvemos toda a ordem de coisas para evitar os riscos. Sem dúvida alguma é a fase mais interessante, no entanto a experiência mostra que nem sempre viável – algumas vezes tecnicamente – em muitos casos economicamente – em especial nos países em desenvolvimento.
Na fase do contato em si reside boa parte do nosso trabalho. Toma-se por premissa que ocorrerá o contato do corpo humano com a substância ou fonte de energia e que devemos tomar ações para que estes contatos ocorram dentro dos limites suportáveis – seja reduzindo a intensidade da energia ou aumentando a capacidade do corpo humano através das medidas de proteção.
 
Segue-se então a preocupação e a fase de pós contato, onde nada mais faremos do que nos preocuparmos em diminuirmos a extensão das lesões ou perdas.
Importante notar que esta fase pode fazer muita diferença em certos casos de acidentes.
UM CASO INTERESSANTE
Tudo na vida é evolução! O que evoluiu morreu e perdeu-se no tempo e esta regra continua valendo. Evolução é podermos hoje ao andar pelas ruas notas que mesmo nas pequenas obras já é possível ver operários utilizando segurança.

Dentro das empresas então nem se fala Bom notar que a prevenção evoluiu e o numero de mortes por quedas de diferentes nível certamente diminuiu. Podemos afirmar assim, que neste caso ocorreu um processo de evolução. No entanto, não podemos parar ai: Evolução é algo continuo! Isso não é tudo.
Há cerca de dois anos fui assistir treinamento feito por um francês especialista em trabalhos em altura. Muito interessante todo equipamento e método apresentado. Bastante interessante quando em dado momento ele afirma que operários que ficam presos em altura por cintos de segurança após terem sido projetados em quedas necessitam ser retirados o mais breve possível visto que as partes inferiores do cinto quando tencionadas dificultam a circulação sangüínea para os membros inferiores.

Citou lá inclusive o número de minutos em que isso deve ocorrer. De lá para cá venho perguntando as pessoas: - Qual seu planejamento para retirar um empregado que fique preso pelo cinto em altura? Que respostas obtenho? Em muitos casos me dizem assim: - Chamo o corpo de bombeiros.

E  muitos que dizem isso trabalham em cidades ou localidades onde não existe o corpo de bombeiros – vão depender do socorro que vira de uma cidade vizinha ou algo assim.Outros dizem assim: - Subimos lá tiramos – e acabo ficando quieto porque olhando para a estrutura nota-se que ninguém vai mesmo lá e se o fizer vai ocorrer mais riscos ainda.

Enfim, notem que o planejamento do trabalho em altura termina mesmo na realização do trabalho e se portanto algo der errado ... na hora vamos ver o que fazemos. Isso nada tem de prevenção.
 
PENSANDO NO DEPOIS
De postos de trabalhos, sejam eles fixos ou temporários, tome por habito perguntar-se: Se houver aqui um acidente ou ocorrer um mal súbito como irei socorrer esta pessoa?

Em muitas vezes verá que a resposta cria uma situação embaraçosa; Conheço diversos locais de trabalho onde existem os famosos mezaninos; Em muitos deles são feitas operações que implicam em riscos e perigos.

Estranhamente não há qualquer forma de acessar estes locais mesmo que seja como uma maca portátil visto que a mesa pode até entrar desmontada, mas depois de montada não terá como sair com a pessoa em cima dela.

Por mais esdrúxulo que isso pareça não é difícil encontrar situações assim que se repetem também em canais de ar e porões.
Não é difícil imaginar que se não há nem mesmo como acessar os locais com equipamentos básicos, não há planejamentos para minimização.
Falemos então de algo mais simples e que consta com muita clareza em nossa legislação: primeiros socorros. Nos países desenvolvidos crianças sabem prestar primeiros socorros. Por aqui, raramente encontramos alguém que realmente entenda do assunto.

Certa vez propusemos que dentro dos ônibus das empresas tivéssemos brigadas de trajeto. Quem é do ramo sabe a importância da rapidez e da forma correta dos primeiros socorros. No mais trata-se do tipo de treinamento dos mais simples possíveis.

Faltam mesmo um pouco de boa vontade. Muitas das tragédias que acompanhamos por toda a parte poderiam ser minimizadas se na comunidade as pessoas soubessem como proceder. Dentro das empresas a realidade não é diferente.

Quando ocorre o acidente, além de ninguém saber o que deve fazer – por falta de planejamento – menos ainda as pessoas sabem como fazer – por falta de treinamento e muitas destas situações ocorrem em locais distantes dos centros de socorro e com certeza contribuem em muito para o agrava das lesões e possíveis seqüelas.
 E por ai segue esta ordem de coisas . Pânico e desconhecimento e quase que tudo que as pessoas encontram nos momentos difíceis. Isso vai das empresas aos locais de grande concentração popular. Quantos nos que freqüentamos os shopping já fomos informados de como proceder em caso de explosão como houve em Osasco? Quando ouvimos falar em um exercício que seja de plano emergência num shopping ou grande cidade?

Com exceção as indústrias químicas, não conheço muitos casos de preparo para acidentes ou grandes incidentes. Quando visito empresas e uma pergunta que costumo fazer as pessoas O – como sairíamos daqui se algo ocorresse? Quase ninguém sabe.
Atenção especial deveriam ser dadas a certos tipos de operação. Num dia destes fazendo uma auditoria em uma grande empresa perguntei ao Chefe do Ambulatório Médico como tiraria as pessoas de lá de dentro num caso de emergência.

Não havia um plano.

A mesma atenção deve ser dada aos casos pontuais, empregados que trabalham em operações que gerem risco de incêndio devem estar treinados para lidar com situações adversas – conheço diversos casos de operários que tendo as vestes em chama saíram correndo em busca de socorro e morreram assim quando se tivessem orientação para abafarem as chamas ao invés de expo-las ao oxigênio poderiam

Ter ferimentos mais estariam vivos. Importante também que os operários das áreas periféricas saibam o que, como e quando fazer. Isso também é prevenção!
Era sobre isso que gostaríamos de falar: em muitos programas de segurança falta ainda a fatia do minimizar as conseqüências. Não devemos desprezar o pós acidente, o pós contanto mas antes enxergar nele a possibilidade de estarmos agindo em prol do acidentando e da empresa. Gerenciando a realidade e as possibilidades com certeza minimizaremos as consequencias.
FONTE:Cosmo Palasio de Moraes Jr.




























$$$EMPREENDA, FAÇA E VENDA$$$
DIA DOS NAMORADOS VEM AÍ...AUMENTE SUA RENDA E SUA PAIXÃO REACENDA!!!

Cesta Sedução

01 Champanhe francês ou similar
01 Cacho de uva
01 Pacote de Castanha de caju
02 Taças cristal ou similar
02 Guardanapos

Incluindo: Preservativos e lingerie

Homem: Cueca de seda
Mulher: Camisola de seda



Scent of A Woman Spa Gift Basket
MAÇÃS COBERTAS DE CHOCOLATE...
Fancy Chocolate Caramel Apple Duet



Valentines Motorcycle 6 Gourmet Cookies




5 handmade flowers with a ferrero rocher
1 Rocher, 1 Marshmellow, 2 Hershey kisses, 2 sweets






























CULINÁRIA FÁCIL...
CUZCUZ PAULISTA...




INGREDIENTES

  • 3 latas de sardinha em conserva de tomate

  • 1 kg de milharina
  • 2 unidades de lata de milho verde
  • 1 lata de ervilha (para quem gosta)
  • 400 gramas de extrato de tomate elefante (é o melhor do mercado)
  • 1 pacote de purê de tomate
  • 4 pacotes de kani kama (em cubos)
  • 8 unidades de ovo inteiro (cozidos)
  • 1 kg de camarão sete barbas (sem cabeça e sem cartilagem)
  • 500 gramas de palmito picado e escorrido (não esquecer de ferventá-lo na própria água)
  • 240 gramas de palmito inteiro (ferventado na própria água)
  • 400 gramas de azeitona picada (verde e/ou preta)
  • 1/2 maço de salsinha picadinha (inclusive os talos)
  • 1/2 maço de coentro bem picadinho (inclusive os talos)
  • 1/2 maço de cebolinha picada bem miudinha (argolinhas finas)
  • 500 ml de azeite extravirgem
  • 1 colher de sopa de açúcar (bem cheia)
  • 200 gramas de alcaparras inteiras e escorridas
  • 2 unidades de cebola grade bem picadinha
  • 6 dentes de alho picadinho (batidinho com o cutelo)
  • 1 colher de sopa de curry
  • 1 colher de chá de louro em pó
  • 2 colheres de sopa de tempero baiano
  • 1 colher de sopa de gengibre em pó
  • sal (PARA TEMPERAR NO FINAL COM CUIDADO POIS HÁ INGREDIENTES QUE POSSUEM SAL) a gosto


  1. Numa panela grande, cubra o fundo com azeite extravirgem e deixe esquentar, em fogo alto;
  2. junte primeiramente a cebola e refogue até que fique transparente e acrescente o alho picado e mexa bem com uma colher de pau;
  3. Acrescente uma lata e meia de milho verde escorrido e continue mexendo;
  4. Acrescente a lata de ervilha e continue mexendo;
  5. Acrescente o palmito picado e continue mexendo;
  6. Cozinhe os ovos bem durinho e pique 6, bem picadinho, reservando os outros dois.
  7. Acrescente todos os temperos, excetuando o açúcar;
  8. Acrescente duas latas de sardinha com o óleo e continue mexendo;
  9. Acrescente todo o camarão e continue mexendo para incorporar o sabor nos outros ingeredientes, por aproximadamente 5 minutos;
  10. Acrescente o extrato de tomate e a polpa de tomate e dois copos de água, sempre mexendo, até que os ingredientes estejam cozidos e somente agora acrescente o açucar;
  11. Acrescente os ovos picados, sempre mexendo;
  12. Vá acrescentando a milharina aos poucos, sem deixar de mexer, para que não empelote;
  13. Vá adicionado azeite, para que a massa permaneça sempre molhadinha e não grude na panela;
  14. Acrescente o kani kama em cubos e continue mexendo; caso a massa começar a pegar no fundo, acrescente mais um copo de água;
  15. Quando a massa estiver cozida, apague o fogo, deixando esfriar um pouco;
  16. Quando a massa estiver morna, acrescente a alcaparra, a salsinha, o coentro e a cebolinha, mexendo até incorporá-las na massa;
  17. Nas formas com furo no meio já enfeitadas, coloque a massa e vá apertando com a mão, para que fique bem condensada;
  18. Deixe esfriar e depois coloque na geladeira por pelo menos duas horas antes de servir

MOUSSE DE CUPUAÇU

Ingredientes

  • 400 ml Creme de leite fresco
  • 400 ml leite condensado
  • 300 grs Polpa de cupuacú
  • 3 claras em neve
  • 20 grs Gelatina sem sabor
  • folhas de hortelã para decorar

    Modo de preparo

Hidrate a gelatina em 60 ml de água
Dissolva em banho maria.
Bater o creme de leite, o leite condensado e a polpa de cupuaçú e a gelatina no liquidificador.
Bater as claras em neve
Misture o creme de cupuaçu com as claras delicadamente.
Coloque em taças, leve a geladeira por 2 horas.
Decore com a folha de hortelã.


 MENSAGEM...

Nenhum comentário: