segunda-feira, 16 de agosto de 2010

AMOR DEPOIS DOS 40...É POSSÍVEL RECOMEÇAR?!?!?!?

O QUE ME LEVOU Á ELABORAR ESTE ARTIGO?!?!?
Venho percebendo que, nos últimos tempos, temos recebido muitas mensagens de mulheres e homens com idade acima de 40 anos, na maior parte dos casos divorciadas (algumas tiveram longos casamentos) ou mesmo viúvas(os). A questão trazida é quase sempre a mesma: é possível se relacionar novamente com a idade que têm e após uma separação?

A dúvida e toda a insegurança são compreensíveis, já que muitas(os) tiveram longos casamentos e estão “recomeçando” agora. Têm, portanto, dúvidas sobre o que fazer, como agir, e mesmo sobre sua capacidade de amar, serem amadas e se relacionar novamente. Apesar disso, sempre que vejo a pergunta se repetir, outra pergunta me vem à mente: “por que não?”.
Vivemos em uma época em que a juventude é muito valorizada, de maneira que vem crescendo em grandes proporções a quantidade de pessoas (jovens de 15anos e adultos de 40 anos pra cima...) que se submetem a tratamentos e cirurgias para preservar a juventude, retardar ou evitar o envelhecimento. Nos meios de comunicação, a juventude é exaltada como a oitava maravilha: “jovem” é sinônimo de “belo”, “interessante”, “saudável”, “forte”... O jovem é frequentemente visto como aquele que pode tudo, transpõe barreiras, é livre para fazer escolhas e modificá-las conforme sua vontade.

Toda essa exaltação ao jovem tem seu corolário: se o jovem é “isso tudo”, quem não é jovem é o quê? Geralmente a “não-juventude” está associada ao “feio”, “desinteressante”, “doente”, “fraco”... Desta maneira, conforme a idade vai avançando, muitas pessoas começam a se sentir impotentes. Acham que não podem fazer isto ou aquilo por não terem mais 20 anos. Pensam que recomeçar é somente para os mais jovens, que a idade para isso já passou. Por pensarem dessa maneira, aí sim acabam se parecendo com o estereótipo do velho. Assim, não foi a idade que a tornou velhas, mas sua maneira de pensar.

Voltando então ao nosso assunto inicial, o que pensar do amor após os 40? Em primeiro lugar, para que ele aconteça é preciso abandonar o estereótipo que descrevi. É preciso se sentir bela(o), interessante e capaz de amar novamente. Acima de tudo, é preciso lembrar que o amor após os 40 tem muitas vantagens. Vejamos quais são elas.
Jovens são “belos” e “saudáveis”, porém têm muitas dúvidas. Passam por fases de muitas indefinições que podem gerar muita angústia. Não sabem bem quem são, o que querem fazer, quem querem ser. Pessoas com mais idade tendem a ter maior maturidade: já fizeram escolhas consideradas “cruciais”, sabem bem quem são e do que gostam. A vida já não é mais vista como uma aventura, tão interessante quanto assustadora. Tudo tende a ser pensado com maior tranquilidade, ainda que dúvidas e inquietações nunca deixem de existir.

A juventude, ao mesmo tempo em que é “livre para amar”, tem muitos tabus. Quanto mais jovem, geralmente maior é a quantidade de “regras” a serem seguidas: “pode isso, não pode aquilo”. Muitas vezes abandona-se um amor ou deixa-se de vivê-lo por não ser “bonito” ou por “não pegar bem”. A maturidade traz maior segurança quanto às escolhas. O importante passa a ser não mais a opinião dos outros (embora ela sempre tenha seu peso), mas a própria felicidade. O olhar dos outros – negativo ou positivo – deixa de ser crucial.

A experiência de vida traz a segurança de que sobrevivemos às perdas. Se, ao terminar um namoro, um jovem sente-se “como se fosse morrer”, a maturidade modifica essa sensação. A perda é menos arrebatadora. Ainda que haja sofrimento, sabe-se que não é o fim do mundo, e que será possível viver sem o outro. Da mesma maneira, dificuldades no relacionamento, que, quando se é jovem, podem ser vistas como cruciais, tendem a ser vistas de maneira mais amena após os 40. Já se sabe quais são os problemas “realmente graves”, e quais são aqueles que o tempo resolverá.

Minha intenção não é fazer aqui uma apologia da maturidade ou argumentar sobre o que é “melhor”. Não há idade melhor, cada uma tem suas vantagens e desvantagens. O importante é não se prender às desvantagens, como se elas fossem impedir qualquer coisa, e saber fazer bom uso das vantagens. Por isso, respondo a pergunta dessas muitas mulheres e homens que nos escrevem: sim, é possível amar e se relacionar após os 40. É possível ser feliz no amor, ainda que as experiências anteriores possam ter sido frustrantes. Mais do que se apegar ao que deu errado em relacionamentos anteriores, é preciso saber aprender com a experiência e usá-la em seu favor. Por isso, considero um bom conselho: sintam-se lindas(os) e livres, estejam abertas(os) a novidades, e logo estarão amando novamente!
Fonte de Consulta: Mariana Santiago de Matos - Psicóloga

EXCELENTE INÍCIO DE SEMANA!!!
LEMBRE-SE DEIXE O AMOR ACONTECER EM SUA VIDA, POSTO QUE A ÁGUA BANHA CORPO E O AMOR LAVA A ALMA!!!

Um comentário:

Anônimo disse...

UAUUUUUU!!! tava precisando ler isso pra mudar a viâo da minha situaçâo de vida como viúva tâo recente!!! Obrigada Lilian!!!
Cleo- por e-mail