sábado, 31 de julho de 2010

A ORIGEM DO DIA DE SÁBADO!!!!!!



O sábado, por fundamentação bíblica e etimológica, é considerado o último dia da semana, seguindo a sexta-feira e precedendo o domingo, é um dia de oração e de descanso para judeus e cristãos sabatistas (tais como os Adventistas do Sétimo Dia). Por ordenação de trabalho e lazer e pela normalização ISO, o sábado é considerado o sexto dia da semana com o sábado e o domingo como fim de semana, sendo assim na maioria dos calendários em todo o mundo.


A palavra sábado deriva do latim sabbatum, que por sua vez deriva do Sabá hebraico (שבת, transliterado como shabāt), que designa o dia de oração e de descanso entre os judeus.


Povos pagãos antigos reverenciavam seus deuses, dedicando este dia ao astro Saturno, o que originou outras denominações, em inglês diz-se Saturday, e no holandês Zaterdag, com o significado de "Dia de Saturno".


Entre os romanos, por exemplo, este dia dedicado a Saturno, deus da agricultura, representava um dia de descanso pela boa colheita.

Paganismo

Saturno, gravura do século XVI de Caravaggio.


O Império Romano considerava o sábado um dia consagrado à Saturno, ao qual atribuem a origem de Roma, construindo-lhe um templo e um altar à entrada Fórum, no Capitólio. Atribui-se ainda a Saturno a criação de divindades como Juno ou Hércules e de heróis como Rómulo.


Judaísmo e cristianismo


No judaísmo o sábado (שַׁבָּת, pronunciado "Shabat") significa "descanso," "cessação," ou "interrupção" e é o sétimo dia da semana dedicado à oração e ao descanso, relembrando o sétimo dia original da semana no qual Deus descansou após os seis dias de Criação do universo (Gênesis 2:1-3), que culminou com a criacao do homem e depois disto do dia de sabado que tambem santificou, tendo prescrito sua guarda no quarto mandamento da Lei de Deus, como relatado em Exodo 20. Os judeus consideram proibidas certas atividades neste dia.


Há divergências de opinião entre cristaos sobre se o sábado ou o domingo deve ser observado como dia de descanso, pois o setimo dia honraria a Deus como Criador e o primeiro como Redentor, particularmente por ser o dia em que Cristo ressuscitou dentre os mortos. No entanto, cristaos primitivos eram como Seu Mestre Jesus, judeus que celebravam todos os festivais judaicos, inclusive o sabado do setimo dia. Apostolos como Paulo e Pedro pregavam em sinagogas no sabado e, de acordo com o mandamento e como era do costume de Cristo, iam ao templo nesse dia. Mesmo quando entre pagaos, Paulo procurava lugares de ajuntamento do povo judeu no dia de sabado para pregar mesmo ao gentios. Nao havendo sinagoga, este buscava lugar para oracao no dia de sabado junto 'a natureza, como quando conheceu Lidia, aparentemente uma judia guardadora do sabado que aceitou a Cristo como o Messias.

O 1.o concilio em Jerusalem para discutir se certas praticas judaicas como a circuncisao deveriam ser impostas tambem aos gentios nao tocou no assunto de observancia da Lei ou do sabado do setimo dia ou festivais e igrejas tao antigas quanto a etiope sempre observaram o sabado biblico, tendo adicionado tambem a guarda do domingo somente quando perseguidos por catolico romanos europeus que invadiram seu pais. No entanto, quanto mais os cristaos eram perseguidos por judeus e gentios, tanto mais estes pareciam querer se distanciar da aparencia "judaica," a fim de nao serem confundidos com os mesmos. Alguns chegam a afirmar que fora feito um acordo entre judeus e cristaos para que nao celebrassem as mesmas festas. Embora nao haja provas, percebe-se o interesse por parte de cristaos romanos em nao celebrar a morte e ressurreicao de Cristo exatamente na data da Pascoa judaica, tornando a pascoa dos cristaos uma festa movel.

Percebe-se tambem grande influencia dos festivais gentios na elaboracao do calendario cristao, fazendo com que a Pascoa ocorra no primeiro dia da semana, e nao em 14 de Nissan, como ocorrera no calendario judaico, o que parece honrar o dia do sol dos pagaos. Ha', no entanto, relatos no livro de Atos dos Apostolos em que reunioes eram realizadas tambem no 1.o dia da semana, nao estando claro, se na noite do sabado, que para judeus ja' seria domingo por contarem o dia de um por do sol ao outro, ou na 2a. feira, quando se diz que Paulo pregou alem da meia-noite, que no horario romano ja seria tambem outro dia. Cristaos observadores do domingo refutam que o Pentecostes mesmo entre os judeus sempre ocorria num domingo, e que a descida do Espirito Santo sobre os apostolos definitivamente caiu num domingo e que as aparicoes de Cristo depois de ressuscitado sempre ocorreram nesse dia, embora pelo sistema de contagem de dia judaico talvez ja' fosse 2a. feira. Em sua carta aos Corintios, Paulo aconselha que os fieis fizessem coleta de ofertas para uma igreja em necessidade no primeiro dia da semana, o que muitos interpretam como sendo dia de culto.

Mas sendo o domingo dia de trabalho para judeus quando a igreja ainda tinha forte identificacao com o judaismo, e quando o proprio Paulo observava festas e votos relacionados com o judaismo, a ordem parece mais se coadunar com o fato de judeus nao tocarem em dinheiro no dia de sabado, pagando dizimos durante a semana. Assim, ja' que transacao de dinheiro e viagens so' se efetuavam fora do sabado, o 1.o dia da semana era um dia viavel para isto antes de o apostolo viajar a campos missionarios. Paulatinamente, no entanto, cristaos gentios parecem ter comecado a se reunir em ambos os dias, dedicando a parte escura do sabado 'a tarde 'a celebracao da ressurreicao. Tal costume ainda e' celebrado por alguns cristaos como catolicos romanos que celebram a eucaristia apos as 17:30 no sabado como sendo a "da vigilia," tanto em domingos comuns como na grande vigilia pascal no sabado de Aleluia, como a bencao do fogo, que parece ter influencia do mitraismo que cultuava o deus sol semanalmente e no solsticio de inverno no dia 25 de dezembro, convertido em Natal, e no solsticio de verao em 24 de junho, convertido em dia de Sao Joao Batista, o precursor do Messias que nasceu 6 meses antes de Cristo.

Tal pratica nao ocorrera em Jerusalem, centro do cristianismo primitivo, e parece que so' depois de 150 anos, cristaos de Roma e Alexandria adotaram a guarda do "Dies Domine." Em 325, com a suposta conversao de Constantino, que parece ter sido mais uma acao politica, quando o cristianismo nao era so' uma religiao de escravos, mas varios funcionarios do imperio ja' o professavam e bispos se tornavam influentes. Nesta mesma epoca, o bispo de Roma buscou autoridade sobre todos os outros, e como o poder eclesiastico nao era ainda tao centralizado e unidade de doutrina nao havia se consolidado, ou talvez se estivesse a corromper alem do ideal dos apostolos, o poder publico se uniu ao eclesiastico a fim de ter maior controle sobre o povo e a igreja organizada deu o seu aval a Constantino.

Mediante um edito, o imperador proibiu trabalho no "veneravel dia do Sol" na cidade mas nao no campo, pois cria-se no papel fertilizador do deus Sol neste dia no plantio. No seu esforco de evangelizar as massas, a igreja transferiu as honras aos deuses pagaos e em especial ao astro Sol a Cristo --o Sol da justica-- e outras praticas alheias ao judeo-cristianismo foram adotadas como veneracao de imagens --embora ortodoxos tenham preferido usar icones,-- intercessao dos santos e da Virgem, construcao de catedrais com o altar para o lado de nascimento do sol, ofertas de incenso a imagens de Cristo e dos santos, como eram ofertadas a Cesar, considerado deus por pagaos e incorporacao ou conversao de festivais pagaos em eventos cristaos tais como Natal, Epifania, Quaresma, Pascoa, Finados, Todos os Santos e outros.

A questão só seria encerrada em 325 d.C., com as orientações decididas no Primeiro Concílio de Nicéia, que estabelece universalmente o domingo como dia sagrado, decisão mantida pela maioria das denominações cristãs até a atualidade.


A maioria dos cristãos celebra cultos no primeiro dia da semana o domingo, conhecido como "Dia do Senhor," que ja' foi observado com um rigor tão vigoroso quanto no judaísmo entre catolicos romanos e mais tarde entre os puritanos da regiao da Nova Inglaterra nos Estados Unidos e entre outros protestantes ou calvinistas, que a exemplo do Velho Testamento puniam com morte os infratores. Porém, algumas denominações cristãs observam o Sábado, como Batistas do Sétimo Dia, que influenciaram outras igrejas como o maior corpo de observadores do sabado, a Igreja Adventista do Setimo Dia, e seus ramos como a Igreja de Deus do Setimo Dia, Igreja Adventista do Setimo Dia Movimento de Reforma (mais Ortodoxa), a Igreja Adventista da Promessa (Pentecostal), e outras nao relacionadas como San Doutrina do Setimo Dia,Verdadeira Igreja de Jesus na China, etc. Valdenses no Piemonte na Italia, Cristaos de Sao Tome' na India, Cristaos Etiopes e Nestorianos na China foram observadores do sabado do setimo dia ao menos por um tempo ate' cederem 'a pressao de perseguicoes ou mudanca de pensamento da maioria dos crentes ou lideres.


Recentemente, alguns ramos da Igreja de Deus Mundial deixaram a congregacao local decidir qual o dia mais viavel para culto. Descontentes com a ideia se uniram a observadores do sabado mais numerosos tais como Adventistas do Setimo Dia. Varios cristaos, no entanto, creem que todo tempo e' tempo de ser santo e nao especificam um dia como sendo santo, mas se reunem em horarios convenientes a todos os membros. Pentecostais, por exemplo, podem ter escola dominical de manha no domingo, mas o culto principal ocorre 'a noite do mesmo dia e/ou durante a semana. As que enfatizam curas, prosperidade material e espiritual ou maior comunhao com Deus tem cultos todo dia tambem.

No Catolicismo, apesar de certos dias serem "dias de preceito," como o "santo domingo," a eucaristica acontece diariamente de manha, 'a tarde e 'a noite, menos na sexta-feira santa, unico dia em que nao ha' missa, mas e' dia de jejum, abstinencia e funcoes e preces na igreja e em procissoes nas ruas relacionadas ao dia 'as 15 hrs, hora em que Cristo morreu e 'a noite com a procissao do Senhor morto. Logo, o domingo semanal e' tido como uma pequena pascoa, e apesar de ter perdido importancia num mundo mais secular, lideres catolicos e protestantes periodicamente se manifestam contra um mundo mais materialista que se recusa a honrar o sagrado e impedem empregados de ir 'a igreja. Guardadores do sabado, por outro lado, acham que, como o domingo nunca teve sancao divina como sagrado, por mais que se imponham leis obrigatorias, ele nunca tera' a solenidade e rigor sabatico ja' que nao esta' conectado 'a ideia de que ha' um Deus Criador, Mantenedor e Redentor. Criacionistas, entendem que haveria menos ateus no mundo se cristaos honrassem o Criador no dia estabelecido como sagrado por Ele como o fizeram no passado. Afirmam que o sabado nao foi instituido aos judeus somente, pois na criacao do mundo so' havia Adao e Eva na Terra e Cristo nao teria vindo ao mundo para mudar a Lei mas sim cumpri-la e que afirmara "que ate' que o Ceu e a Terra passem nem um jota nem um til sera' omitido da lei" ao que guardadores do domingo ou de nenhum dia citam passagens de Paulo onde este afirma que "quem guarde nao condene quem nao guarda" e "que ninguem vos julgue pelos sabados e outras coisas que sao sombras da realidade que e' Cristo."


Mas o debate continua explicando ora que tais sabados eram os cerimoniais, ou os que entendem que nos melhores originais le-se "sabado" no singular, esclarecem que o apostolo defendia seus discipulos dos judaizantes que exigiam que cristaos guardassem o sabado 'a risca segundo as tradicoes judaicas condenadas por Cristo que proibiam ate' mesmo cura e ao axilio ao proximo no sabado ao que Cristo disse "e' licito fazer o bem aos sabados!" Grupos como os Adventistas creem, baseado em um verso de Apocalipse que diz que "o dragao irou-se contra a mulher e foi fazer guerra ao resto da sua semente: os que guardam os mandamentos de Deus e a fe' de Jesus" que Satanas incitara' perseguicao a cristaos guardadores dos mandamentos, em particular o sabado quando paises liderados pelos Estados Unidos imporao leis dominicais para guarda global do dia.

Outros cristaos e ate' mesmo adventistas nao conformistas creem que seja uma preocupacao descabida numa epoca de democracia e liberdade de culto ao menos no ocidente. Outros veem na interpretacao uma certa paranoia advinda da historia dos mileritas ancestrais dos adventistas que foram expulsos de suas igrejas originais quando esperavam a 2a. Vinda de Cristo para 1844 e tal nao ocorreu e mesmo depois de organizada, sua igreja nao era bem vista entre protestantes estadunidenses por adotar um dia diferente de guarda assim como outras doutrinas diferentes da "norma." Ha' locais nos Estados Unidos, no entanto, que nao permitem certas atividades no domingo, tais como comercializar certos artigos, cortar grama e vender bebida alcoolica das 4:00 'as 12:00 de domingo, qdo cultos findam.

Tais leis sao chamadas "Blue Laws" ou "leis azuis" que se restringem geralmente a vilarejos. Ha', no entanto, o movimento do Dia do Senhor que tenta influenciar o governo estabelecer regras mais rigidas para que o dia de domingo seja mais honrado num pais que tem abandonado suas origens evangelicas. O Papa Joao Paulo II & mais recentemente Bento XVI tambem mostraram preocupacao com a secularizacao da Europa e do mundo e como este se beneficiaria se santificasse o domingo.


Na Igreja Ortodoxa no Sábado é comemorado o dia da Theotokos (Mãe de Deus) e de Todos os Santos. O sábado é também um dia geral de oração para os mortos.


Todos os países latinos, e alguns outros, acabaram adotando a expressão sábado e de acepção semelhante em função de campanha da Igreja Católica contra o paganismo, o que prova, segundo cristaos guardadores do sabado, que o setimo dia nunca se perdeu no calendario e e' o mesmo observado por Jesus, Maria e os discipulos ate' hoje. Judeus parecem concordar, pois guardam o sabado no mesmo dia que Batistas ou Adventistas do Setimo Dia. Portugal foi o unico pais a adotar nomes nao pagaos a todos os dias da semana, enquanto a maioria do paises catolicos mudaram somente o nome do 7.o e 1.o dia da semana.





 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Dica de sábado á noite:
HOJE TEM DANÇA DO VENTRE NO MERCADO CULTURAL!!!!!!!!!!
PRESTIGIE!!! 19:30 COMEÇA!!!
 
 
 

sexta-feira, 30 de julho de 2010

CASAIS INTELIGENTES ENRIQUECEM JUNTOS - VOCÊ E SEU PARCEIRO(A) PENSAM E PLANEJAM JUNTOS?!?!?

Grande parte dos problemas de relacionamento dos casais no mundo materialista e imediato atual começa no dinheiro – no excesso ou na falta dele. Quando a renda do casal não dá conta dos gastos do mês, o dia-a-dia tende a uma desagradável monotonia e qualquer proposta mais romântica que envolva algum gasto é cortada pela raiz. As dificuldades decorrentes desta escassez geram conflitos entre o casal, que nem sempre percebe que o problema é financeiro.

O grande charme do dinheiro está no fato de ele raramente se mostrar claramente como o vilão da história. Se falta dinheiro para um jantar romântico, o problema percebido é a falta de romantismo; se falta dinheiro para renovar o guarda-roupa, o problema percebido é o desleixo; se falta dinheiro para levar as crianças ao parque, o problema percebido é a falta de carinho. Todos culpados disfarçados de um erro comum: falta de habilidade em lidar com o dinheiro ou de torná-lo suficiente.


Por outro lado, quando a renda do casal é maior, raramente os dois chegam a um acordo sobre os hábitos de consumo de um e de outro e sobre a melhor maneira de administrar as finanças, o que também origina conflitos. Um reclama dos hábitos perdulários do outro, que, por sua vez, acha que muitas conquistas do casal estão sendo adiadas em razão dos desperdícios do parceiro. E os motivos para conflitos e discussões explosivas vão se acumulando.

Uma vida a dois planejada e com objetivos é mais feliz. Tenho constatado isso nos depoimentos que recebo de leitores que conseguiram administrar bem suas finanças ao longo dos anos e hoje desfrutam de uma vida sem privações. Também tenho ouvido, consternado, pessoas com certa idade confessarem que, se tivessem aprendido no passado algumas simples lições sobre a administração de seu patrimônio, hoje teriam uma vida mais folgada financeiramente.

Dependendo do perfil financeiro de cada um de vocês dois, o relacionamento pode ter tudo para dar certo – inclusive financeiramente – ou tudo para ser uma verdadeira bomba-relógio. É preciso aprender a lidar com o perfil de seu parceiro e criar condições para que os sonhos sejam conquistados e comemorados a dois, sempre.

Compreendam melhor questões como:

• Os benefícios de um planejamento financeiro de longo prazo

• Dicas para presentear seu amor gastando menos

• Crises financeiras do relacionamento

• Vida a dois: até que ponto juntar tudo

• As finanças dos casais com filhos

• Planos de previdência e seguros

• Como lidar com a mesada

• Como resistir à tentação de gastar

• Como lidar com a herança.

As finanças do namoro e do noivado
A primeira grande crise do relacionamento
Para muitos casais, o namoro é como um conto de fadas, uma eterna preparação para a lua-de-mel, mesmo que ainda não esteja nos planos. A convivência restrita a poucos dias da semana, o fato de ambos se encontrarem sempre em clima de passeio e diversão e a ausência de rotina criam a impressão de que estar nos braços da pessoa amada é o mundo dos sonhos.

Por essa razão, a decisão de casar-se acaba sendo um drama para muitas pessoas. Saem de cena momentos de lazer, convivência exclusivamente a dois, presentes românticos e orçamento para um fim de semana. Entram em cena rotina do lar, convivência com parentes (incluindo sogros), gastos com moradia e orçamento apertado para o mês. O drama começa quando o casal pensa em quanto vai custar a vida a dois e nas responsabilidades a ser assumidas. Como a quase totalidade das pessoas não tem a preocupação de se preparar para isso antes de falar em casamento, as mudanças são recebidas como uma ducha geladíssima.
Está desenhado o cenário da primeira crise de todos os casamentos: aquela que acontece antes do casamento. É quando "cai a ficha". Homens entram em pânico, procuram adiar a decisão, pois percebem o tamanho e o preço da responsabilidade. Mulheres se desesperam, pois entendem que eles não estavam levando a sério o namoro. Muitos relacionamentos acabam nesse momento.

Parte dessa crise é financeira, parte é de responsabilidade pessoal. Sim, os homens surtam ao perceber a grande responsabilidade que terão pela frente — ainda fruto da sociedade machista e da falta de capacidade de compartilhar problemas. Uma forma muito simples de suavizar essa passagem do mundo dos sonhos para o das responsabilidades é passar a dividir seus projetos antes mesmo de falar em casamento. Compartilhem sonhos e metas para a vida. Dividam seus medos e angústias. Comecem a construir planos de independência financeira juntos, simulando os custos mensais que teriam no futuro, se casados.

Muitas pessoas que conheço e são felizes no casamento tiveram uma passagem suave entre a vida de solteiro e a vida a dois. Foram aos poucos juntando hábitos, depois projetos, depois convivendo mais tempo e com as respectivas famílias, unindo contas-correntes ou investimentos... Casar foi praticamente formalizar a vida a dois que já levavam, uma transição em que ambos não tiveram surpresas.

Economizando para montar a casa

Quero dividir com vocês um pouco de minha intimidade: minha primeira lição de planejamento financeiro familiar. Antes de pensar em casamento, não tinha planos de enriquecimento. Nunca fui esbanjador, poupava parte de minha escassa renda obtida como estagiário e como professor de inglês. Mas era uma poupança sem meta de longo prazo, meu objetivo era apenas guardar. O dinheiro poupado teve altos e baixos, pois eu aproveitava o fato de ser estagiário de um grande banco para obter dicas e investir em ações, mas fazia isso sem conhecimentos essenciais sobre o assunto.

Quando eu e a Adriana começamos a falar em casamento, minha poupança não chegava ao valor de meio carro popular. E a dela era menor ainda! Mas passamos a sonhar com nossa festa de casamento, com muitos amigos e parentes, jantar, música, detalhes que fazíamos questão de ter. Construir esse sonho foi um dos momentos mais felizes de nossa vida. Montamos uma planilha que incluía tudo, inclusive os gastos com o apartamento — aluguel, reforma, móveis e decoração — e a lua-de-mel. Quando fomos pesquisar preços e condições, bateu o desânimo que bate em todo casal nessa fase. O valor de tudo aquilo era absurdamente alto e incompatível com nossos salários! Teríamos de guardar quase todo o dinheiro que ganhávamos no mês durante pelo menos dois anos para financiar o início de nossa vida.

Nesse momento, tomamos a decisão que não só foi a mais correta como também me incentivou a desenvolver todo um trabalho a partir de então, passando a orientar as pessoas a agir como nós. Construímos um plano para pagar tudo. De acordo com ele, teríamos de poupar 75% de nossa renda conjunta, durante 24 meses, e ainda contar com mais seis meses de renda para pagar algumas prestações que se acumulariam após a lua-de-mel, já que o dinheiro não seria suficiente para financiar tudo no prazo que desejávamos. Tivemos de unir paciência — esperar um pouco mais do que gostaríamos — e sacrifício — deixar de gastar nosso dinheiro e economizar muito.

Não fizemos como muita gente. Alguns resolvem casar quanto antes, pois "se não fizermos agora não faremos nunca". Começam uma vida a dois cheia de problemas e dívidas. Muitos casamentos acabam assim, pois o sacrifício, se evitado antes, tem de ser feito no melhor momento da vida a dois. Outros resolvem simplesmente adiar, sem estabelecer uma meta: "Não temos dinheiro e não podemos agora". E não terão nunca, se não colocarem algum plano em prática.

Meu plano com a Adriana deu tão certo que, nesse período de dois anos entre a decisão e o casamento, sentimos que o mundo percebeu nossa alegria. Trabalhamos furiosamente determinados e economizamos com garra, pois o objetivo estava logo ali. Era um sacrifício, mas perfeitamente aceitável, pois tinha data para acabar. Toda essa disposição se refletiu na qualidade de nosso trabalho: crescemos na carreira e nossa renda aumentou. No dia do casamento, tínhamos acumulado mais do que pensávamos. Casamos com as contas quitadas (sem as prestações que projetáramos), apartamento montado e pagando uma lua-de-mel bem mais ambiciosa do que sonháramos.

Deu tão certo que a primeira coisa que fiz ao iniciarmos a vida no novo lar foi esboçar minha planilha de orçamento doméstico, com metas de poupança e independência financeira.


Construindo o ninho

O momento da escolha da moradia é decisivo para o sucesso financeiro do casal. A diferença entre a boa e a má escolha pode resultar tanto num futuro milionário quanto em um total desastre financeiro. Isso porque nosso padrão de vida é escolhido quando definimos nossa moradia. Com ela, vêm hábitos de consumo, eletrodomésticos, despesas com transporte (em função da proximidade do local de trabalho), gastos ou economias com facilidades (garagem, quintal ou playground para os filhos), impostos e status da vizinhança — preços diferenciados na padaria, na feira e no supermercado, por exemplo.

Escolher uma moradia com padrão acima de suas posses inviabilizará a formação de poupança e aumentará o risco de gastar dinheiro desnecessariamente com juros, nos períodos em que a conta familiar entrar no vermelho. Em outras palavras, dificuldades financeiras são escolhas pessoais: vocês decidem tê-las quando ignoram a importância do planejamento financeiro.

Com exceção dos poucos felizardos que ganham uma casa de presente dos pais, existem basicamente três opções para a definição da moradia: comprar, alugar ou construir a própria casa.


O tradicional conselho de família diz que comprar um imóvel é melhor do que alugar. Cuidado: esse era um conselho muito bom na época em que as taxas de inflação eram elevadas e o mercado financeiro não oferecia alternativas de investimento que acompanhassem a inflação. Comprar pode ser o pior negócio, a não ser que a moradia esteja em local com grande potencial de valorização ou quando o casal dispõe de recursos disponíveis no Fundo de Garantia suficientes para pagar uma significativa parte do valor do imóvel — pelo menos 30%. Isso porque o saldo do FGTS rende juros muito baixos — 3% ao ano mais TR, ou seja, 3% a menos que a caderneta de poupança! Mesmo nessa situação, porém, é preciso pensar duas vezes e fazer as contas se vocês tiverem de financiar o restante do valor do imóvel durante um prazo muito longo. Adiem a compra e esperem formar um fundo maior, se for o caso.

Pensem da seguinte forma: se hoje vocês recebem de herança uma casa avaliada em R$ 100.000,00, qual é a melhor escolha: vendê-la ou alugá-la a terceiros?

Opção 1: se vocês venderem a casa e aplicarem essa quantia em um bom fundo DI, a juros líquidos (após impostos) de cerca de 1% ao mês, receberão R$1.000,00 ao mês de renda.

Opção 2: se vocês optarem por ficar com a casa e alugá-la, não receberão mais do que 0,8% do valor do imóvel, isto é, cerca de R$ 800,00 ao mês de renda, sem contar a taxação do imposto de renda e os riscos: não receber o aluguel ou ter de arcar com os gastos de manutenção (e condomínio, no caso de apartamento) no período em que o imóvel permanecer vago.

A opção 1 é claramente melhor, sobretudo se considerarmos que existem alternativas mais rentáveis de investimento e que nem sempre se consegue alugar um imóvel a preços de mercado. Essa situação somente se inverte quando a região em que o casal opta por morar tem grande potencial de valorização imobiliária. Nas grandes cidades, porém, isso é cada vez mais raro.

O raciocínio a ser utilizado na aquisição de um imóvel é o da outra parte na negociação. Se alugar é um péssimo negócio para os proprietários, é um ótimo negócio para os inquilinos. Entre comprar uma casa à vista e alugar outra de mesmo valor, é melhor alugar. Em vez de desembolsar R$ 100.000,00, apliquem esse valor e paguem com sobra um aluguel de R$ 800,00, já que a renda mensal com os juros será em torno de R$ 1.000,00.

Vocês estão sem dinheiro para comprar à vista? Isso não muda em nada o raciocínio. Vejam o exemplo que desenvolvi no livro Dinheiro — Os Segredos de Quem Tem:

Para adquirir um imóvel na planta, a ser construído em dois anos, cujo preço à vista é de R$ 100.000,00, será necessário pagar uma prestação média de R$ 1.101,09 se vocês optarem por um financiamento de vinte anos com juros mensais de 1% mais inflação. Vocês dispõem de R$ 1.101,09 por mês. Se, em vez de entrarem em um financiamento, optarem por alugar um imóvel de padrão idêntico (mesmo preço de venda), irão pagar R$ 800,00 por mês, na pior das hipóteses. Se vocês tomarem o cuidado de poupar a diferença de R$ 301,09 durante vinte anos, a juros líquidos de 0,6% ao mês (após taxas, impostos e inflação), acumularão nesse período o equivalente a, em valores de hoje, R$ 160.710,50. Se, após os vinte anos de poupança, vocês pararem de poupar os R$ 301,09 todo mês e deixarem o dinheiro acumulado rendendo juros líquidos de 0,6% ao mês, terão uma renda para o resto da vida de R$ 964,26, dinheiro mais que suficiente para sempre alugar um imóvel novo de R$ 100.000,00 e ainda deixar o patrimônio crescendo. Sem contar que, após vinte anos, o imóvel comprado já estaria bastante depreciado...

Essas regras são universais e serão válidas no Brasil enquanto perdurarem os juros elevados. Vocês devem estar se perguntando por que, então, seus parentes e amigos não fazem isso. A razão é simples: falta a disciplina de poupar quando se opta por uma situação financeiramente mais vantajosa.

Farão negócio muito melhor os casais que, em lugar de pagar por moradia pronta, tiverem a oportunidade de construir a própria casa. A economia pode ser da ordem de 40%, desde que a obra seja bem administrada. É uma questão de escolha, pois é preciso ter tempo e paciência para planejar, acompanhar, estudar preços de material e cobrar desempenho dos empreiteiros. Se tempo e paciência não forem recursos abundantemente disponíveis, o barato pode sair bem mais caro.
MESMO QUE VOCÊ ESTEJA RECOMEÇANDO DEPOIS DE UMA SEPARAÇÃO OU DIVÓRICO TRABALHADOR(A) NÃO CAIA NO MESMO ERRO 2 VEZES... PLANEJAMENTO E GESTÃO DO SEU PATRIMÔNIO É ESSENCIAL PARA SUA FELICIDADE E ESPERANÇA FUTURA!!! RECOMECE EM BASE MAIS SÓLIDAS!!! E O CÉU É O LIMITE!!!

Aos que não casaram,





Aos que vão casar,




Aos que acabaram de casar,




Aos que pensam em se separar,




Aos que acabaram de se separar.


Aos que pensam em voltar...


Não existem vários tipos de amor, assim como não existem três tipos de saudades, quatro de ódio, seis espécies de inveja.


O AMOR É ÚNICO,


como qualquer sentimento, seja ele destinado a familiares, ao cônjuge ou a Deus.


A diferença é que, como entre marido e mulher não há laços de sangue,


A SEDUÇÃO


tem que ser ininterrupta...


Por não haver nenhuma garantia de durabilidade, qualquer alteração no tom de voz nos fragiliza, e de cobrança em cobrança, acabamos por sepultar uma relação que poderia


SER ETERNA


Casaram. Te amo pra lá, te amo pra cá. Lindo, mas insustentável. O sucesso de um casamento exige mais do que declarações românticas.


Entre duas pessoas que resolvem dividir o mesmo teto, tem que haver muito mais do que amor, e às vezes, nem necessita de um amor tão intenso. É preciso que haja, antes de mais nada,


RESPEITO.


Agressões zero.


Disposição para ouvir argumentos alheios. Alguma paciência... Amor só, não basta. Não pode haver competição. Nem comparações. Tem que ter jogo de cintura, para acatar regras que não foram previamente combinadas. Tem que haver


BOM HUMOR


para enfrentar imprevistos, acessos de carência, infantilidades.


Tem que saber levar.


Amar só é pouco.


Tem que haver inteligência. Um cérebro programado para enfrentar tensões pré-menstruais, rejeições, demissões inesperadas, contas para pagar.


Tem que ter disciplina para educar filhos, dar exemplo, não gritar.


Tem que ter um bom psiquiatra. Não adianta, apenas, amar.


Entre casais que se unem, visando à longevidade do matrimônio, tem que haver um pouco de silêncio, amigos de infância, vida própria, um tempo pra cada um.


Tem que haver confiança. Certa camaradagem, às vezes fingir que não viu, fazer de conta que não escutou. É preciso entender que união não significa, necessariamente, fusão.


E que amar "solamente", não basta.


Entre homens e mulheres que acham que


O AMOR É SÓ POESIA,


tem que haver discernimento, pé no chão, racionalidade. Tem que saber que o amor pode ser bom pode durar para sempre, mas que sozinho não dá conta do recado.


O amor é grande, mas não são dois.


Tem que saber se aquele amor faz bem ou não, se não fizer bem, não é amor. É preciso convocar uma turma de sentimentos para amparar esse amor que carrega o ônus da onipotência.


O amor até pode nos bastar, mas ele próprio não se basta.
Artur da Távola

DICA DE FINAL DE SEMANA!!!
  FEIRA DO LIVRO ESPÍRITA EM PORTO VELHO
SÁBADO
INÍCIO 9 HORAS DA MANHà
PRAÇA JONATHAS PEDROZA
 
***PARTICIPE!!!***
CONHEÇA E SE ESCLAREÇA!!!
LEIA E ESTUDE COM  KARDEK!!!

quinta-feira, 29 de julho de 2010

NANOTECNOLOGIA- QUE BICHO É ESSE?!?!?

NANOTECTNOLOGIA
A nanotecnologia está associada a diversas áreas (como a medicina, eletrônica, ciência da computação, física, química, biologia e engenharia dos materiais) de pesquisa e produção na escala nano (escala atômica). O princípio básico da nanotecnologia é a construção de estruturas e novos materiais a partir dos átomos (os tijolos básicos da natureza). É uma área promissora, mas que dá apenas seus primeiros passos, mostrando, contudo, resultados surpreendentes (na produção de semicondutores, Nanocompósitos, Biomateriais, Chips, entre outros). Criada no Japão, a nanotecnologia busca inovar invenções, aprimorando-as e proporcionando uma melhor vida ao homem. Um dos instrumentos utilizados para exploração de materiais nessa escala é o Microscópio eletrônico de varredura, o MEV.



O objetivo principal não é chegar a um controle preciso e individual dos átomos, mas elaborar estruturas estáveis com eles.

Nanômetro



Richard P. Feynman foi o precursor do conceito da Nanotecnologia, embora não tenha utilizado este termo em sua palestra para a Sociedade Americana de Física, em 29 de dezembro de 1959, onde apresentou pela primeira vez suas idéias acerca do assunto. A palavra "Nanotecnologia" foi utilizada pela primeira vez pelo professor Norio Taniguchi em 1974 para descrever as tecnologias que permitam a construção de materiais a uma escala de 1 nanômetro. Para se perceber o que isto significa, considere uma praia de 1000 Km de extensão e um grão de areia de 1 mm, este grão está para esta praia como um nanometro está para o metro. Em alguns casos, elementos da escala periódica da química mudam seu estado, ficando até explosivos em escala nanométrica. A nanotecnologia é a capacidade potencial de criar coisas a partir do menor elemento, usando as técnicas e ferramentas que estão a ser desenvolvidas nos dias de hoje para colocar cada átomo e cada molécula no lugar desejado. Se conseguirmos este sistema de engenharia molecular, o resultado será uma nova revolução industrial. Além disso, teria também importantes consequências econômicas, sociais, ambientais e militares.

Nos anos 80, o conceito de Nanotecnologia foi popularizado por Eric Drexler por meio do livro "Engines of Creation" (Motores da Criação). Este livro, embora contendo algumas especulações próximas da ficção científica baseou-se no trabalho sério desenvolvido por Drexler enquanto cientista. Drexler foi o primeiro cientista a doutorar-se em nanotecnologia pelo MIT - O Instituto de Tecnologia de Massachusetts (em inglês, Massachusetts Institute of Technology, MIT) é um centro universitário de educação e pesquisa privado localizado em Cambridge, Massachusetts, nos EUA.

Nanotecnologia drexleriana

A Nanotecnologia drexleriana é aquilo a que agora se chama nanotecnologia molecular e que pressupõe a construção átomo a átomo de dispositivos úteis à vida humana. O santo Graal da nanotecnologia drexleriana é o Montador Universal, um dispositivo capaz de, de acordo com as instruções de um programador, construir átomo a átomo qualquer máquina concebível pela mente humana. Drexler tem uma visão a longo prazo da nanotecnologia que prevê o aparecimento de nano-dispositivos de regeneração celular que poderão garantir a regeneração dos tecidos e a imortalidade.


Embora Eric Drexler seja considerado por muitos como o pai da nanotecnologia, a sua abordagem próxima da ficção científica é vista com desconfiança por outros cientistas mais interessados nos aspectos práticos da nanotecnologia. Eric Drexler fundou o "Foresight Institute" e tem-se dedicado à divulgação e desenvolvimento da Nanotecnologia rebatizada de ''''molecular''''.

Entretanto a nanotecnologia desenvolveu-se graças aos contributos de várias áreas de investigação. Existem atualmente 3 abordagens distintas à nanotecnologia: uma abordagem de cima para baixo que consiste na construção de dispositivos por desgaste de materiais macroscópicos; a construção de dispositivos que se formam espontaneamente a partir de componentes moleculares; a de materiais átomo a átomo.


ABORDAGENS...
A primeira abordagem é a abordagem utilizada em microelectrônica para produzir chips de computadores e mais recentemente para produzir testes clínicos em miniatura.


A segunda abordagem recorre às técnicas tradicionais de química e das ciências dos materiais.


A terceira abordagem é aquela que levará mais tempo a produzir resultados significativos porque requer um controle fino da matéria só possíveis com o aperfeiçoamento da tecnologia.
 
Outras utilizações mais radicais da nanotecnologia, seria a sua utilização nas ciências computacionais, como por exemplo, na nanofotonica, em que nanocristais seriam criados de modo a permitir uma capacidade de busca na ordem dos milhares ou dezenas de milhares de bits.

Montador Molecular ou Nanomontador...

Um montador molecular ou nanomontador (nanoassem) é uma máquina nanotecnológica de tamanho bastante reduzido capaz de organizar átomos e moléculas de acordo com instruções dadas. Para fazer esta tarefa é necessário energia, suprimento de matéria-prima (building blocks) bem como a programação a ser executada pelo montador.


Um montador molecular pode atuar de forma isolada ou em conjunto com vários outros montadores moleculares. Podendo, neste caso, ser capaz de construir objetos macroscópicos. Para isto é necessário um sistema de comunicação entre os montadores bem como um sistema de organização que permitam que eles trabalhem em conjunto.

Existe a possibilidade de se construir um montador universal. Este teria a capacidade de construir qualquer objeto possível, incluindo um outro montador. Assim este poderia se replicar de forma semelhante aos seres vivos. Uma vez construído o primeiro montador ele poderia se reproduzir várias vezes até o número necessário para executar uma determinada tarefa como, por exemplo, a construção de várias toneladas de um nanomaterial. Esta capacidade de reprodução é uma das grandes vantagens de um montador molecular e também é um dos seus grandes riscos. Um montador poderia se reproduzir descontroladamente e ameaçar vidas humanas de forma semelhante a epidemias. Um risco poderia ser a colonização de toda a terra por montadores moleculares, extinguindo toda a vida na terra. Só restariam os próprios montadores em uma massa (provavelmente) cinza chamada de "greygoo". Drexler argumenta que este cenário é bastante difícil uma vez nenhum ser vivo conhecido consegue se reproduzir além do limite imposto pela quantidade de energia e matéria-prima disponíveis. Apesar disto, especialistas advertem que é necessário tomar precauções, pois os riscos para a saúde humana não são conhecidos.

A construção de um montador molecular ainda está longe de ocorrer. Vários problemas persistem como a dificuldade de trabalhar com átomos individuais necessários para a construção do montador. Além disto, é difícil modelar o comportamento de objetos complexos em escala nanométrica que obedecem as leis quânticas.

Possíveis Problemas
Um dos possíveis problemas é a nanopoluição que é gerada por nanomateriais ou durante a confecção destes. Este tipo de poluição, formada por nanopartículas que podem ser muito perigosas uma vez que flutuem facilmente pelo ar viajando por grandes distâncias. Devido ao seu pequeno tamanho, os nanopoluentes podem entrar nas células de seres humanos, animais e plantas. Como a maioria destes nanopoluentes não existe na natureza, as células provavelmente não terão os meios apropriados de lidar com eles, causando danos ainda não conhecidos. Estes nanopoluentes poderiam se acumular na cadeia alimentar como os metais pesados e o DDT - Dicloro-Difenil-Tricloroetano) é o primeiro pesticida moderno, tendo sido largamente usado após a Segunda Guerra Mundial para o combate aos mosquitos causadores da malária e do tifo. Sintetizado em 1874.

A importância para o Brasil e para Portugal

A nanotecnologia é extremamente importante para o Brasil, assim como para Portugal, porque tanto a indústria brasileira como a portuguesa terão de competir internacionalmente com novos produtos para que a economia dos mesmos países se recuperem e retomem o crescimento econômico. Esta competição somente será bem sucedida com produtos e processos inovadores, que se comparem aos melhores que a indústria internacional oferece. Isto significa que o conteúdo tecnológico dos produtos oferecidos pela indústria brasileira e portuguesa terão de crescer substancialmente nos próximos anos e que a força de trabalho, principalmente brasileira, terá de receber um nível de educação em ciência e Tecnologia muito mais elevado do que o de hoje. Pelo referido, destaca-se o investimento que está a ser feito em Portugal, na cidade de Braga, com a construção do Laboratório Internacional Ibérico de Nanotecnologia (INL), estrutura que irá dedicar-se à investigação nesta área e que terá um investimento anual de 30 milhões de euros.

Produtos e serviços que já estariam no mercado

Um levantamento sumário nas publicações que circulam sobre nanotecnologia aponta para os seguintes produtos e serviços que já estariam no mercado:



Tecidos resistentes a manchas e que não amassam;

Raquetes e bolas de tênis;

Capeamento de vidros e aplicações antierosão a metais;

Filtros de proteção solar;

Material para proteção (“screening”) contra raios ultravioleta;

Tratamento tópico de herpes e fungos;

Nano-cola, capaz de unir qualquer material a outro;

Pó antibactéria;

Diversas aplicações na medicina como cateteres, válvulas cardíacas, marca-passo, implantes ortopédicos;

Produtos para limpar materiais tóxicos;

Produtos cosméticos;

Sistemas de filtração do ar e da água.

Microprocessadores e equipamentos eletrônicos em geral;

Polimento de faces e superfícies com nanotecnologia sem micro-riscos.

Produtos em desenvolvimento...

As aplicações mais simples da nanotectologia talvez sejam as mais promissoras. A criação do material mais escuro do mundo, que absorve mais de 99,9% de toda a luz que recebe pode permitir um novo patamar no aproveitamento da radiação solar para geração de energia elétrica. Outra área de desenvolvimento promissor da nanotecnologia é a geração de eletricidade em termopar (Efeito Seebeck) semicondutor. Semicondutores não são indicados para um termopar de energia elétrica através do calor na escala macroscópica. Sabe-se, contudo, que junções semicondutoras podem gerar energia elétrica através da luz recebida em células fotovoltaicas e nesse sentido estuda-se converter calor diretamente em energia elétrica com semicondutores na escala da nanotecnologia. Na mesma linha estuda-se refrigerar um ambiente através de termopares da nanotecnologia em efeito análogo (Efeito Peltier).


Referências
Wikipédia
1.↑ As inimagináveis potencialidades da Nanotecnologia. Revista Mundus (Agosto 2006). Página visitada em 2009.


2.↑ Físicos criam material mais escuro do planetaFolha Online (17/01/2008 - 08h48). Página visitada em 2008-01-20.
 
******************************************************
 
A CULINÁRIA FÁCIL DO TRABALHADOR
CAESER'S SALAD
Uma salada deliciosa, com muito sabor e personalidade.

Menos de 30 minutos  Serve:  5 ou mais porções


Ingredientes

6 Unidade(s) Aliches

2 Colher(es) de sopa Alcaparras

2 Unidade(s) Dentes de alho

2 Colher(es) de sopa Vinagre de álcool

1 Unidade(s) Pedaço de queijo parmesão

2 Colher(es) de sopa Maionese Hellmann's

2 Colher(es) de sopa Azeite

A gosto água

1 Colher(es) de sopa Salsinha picada

A gosto Pimenta-do-reino

A gosto Queijo parmesão

2 Unidade(s) 2 peitos de frango grelhados desfiados

1 Unidade(s) Maço de alface

A gosto Croutons

MODO DE PREPARO
1.Rale uma parte do queijo parmesão. Corte os alhos pela metade, e para que não se torne indigesto, remova o filamento central. Depois corte em pedaços pequenos.


2.Em um recipiente, coloque o alho junto com as alcaparras, os aliches, duas colheres de sopa de queijo parmesão ralado, a maionese e o azeite. Tempere só com pimenta do reino, pois a preparação tem ingredientes que já são salgados. Acrescente o vinagre e um pouco de água. Adicione a salsinha picada e reserve o molho.


3.Com um descascador de batata ou uma faca bem afiada, corte em lascas finas o queijo que restou. Em um prato, ajeite a alface, por cima o frango, os croutons, as lascas de queijo parmesão, o molho césar e mais a salsinha picada.


 

quarta-feira, 28 de julho de 2010

SEGURANÇA DO TRABALHO



Conceito Legal



Conceito Prevencionista



Outros casos considerados como Acidentes do Trabalho

1) CONCEITO LEGAL (de acordo com o artigo 19º da Lei n.º 8213 de 24 de julho de 1991).



“ACIDENTE DO TRABALHO É AQUELE QUE OCORRE NO EXERCÍCIO DO TRABALHO A SERVIÇO DA EMPRESA, PROVOCANDO LESÃO CORPORAL OU PERTURBAÇÃO FUNCIONAL QUE CAUSE A MORTE, OU PERDA, OU REDUÇÃO, PERMANENTE OU TEMPORÁRIA, DA CAPACIDADE PARA O TRABALHO”.





2) CONCEITO PREVENCIONISTA:


“ACIDENTE É A OCORRÊNCIA IMPREVISTA E INDESEJÁVEL, INSTANTÂNEA OU NÃO, RELACIONADA COM O EXECÍCIO DO TRABALHO, QUE PROVOCA LESÃO PESSOAL OU DE QUE DECORRE RISCO PRÓXIMO OU REMOTO DESSA LESÃO”.





Diferença entre o CONCEITO LEGAL e o CONCEITO PREVENCIONISTA:

A diferença entre os dois conceitos reside no fato de que no primeiro é necessário haver, apenas lesão física, enquanto que no segundo são levados em considerações, além das lesões físicas, a perda de tempo e os materiais.






3) CLASSIFICAÇAO DOS ACIDENTES DO TRABALHO





a) ACIDENTE DO TRABALHO OU SIMPLESMENTE ACIDENTE: É a ocorrência imprevista e indesejável, instantânea ou não, relacionada com o exercício do trabalho, que provoca lesão pessoal ou de que decorre risco próximo ou remoto desta lesão.


b) ACIDENTE SEM LESÃO: É o acidente que não causa lesão pessoal.


c) ACIDENTE DE TRAJETO: É o acidente sofrido pelo empregado no percurso residência para o trabalho ou deste para aquela.


d) ACIDENTE IMPESSOAL: É aquele cuja caracterização independe de existir acidentado.


e) ACIDENTE INICIAL: É o acidente impessoal desencadeador de um ou mais acidentes.


Praticidade! Rapidez! E hum hum.... Sabor dos deuses.
PIZZA DE BATATA PALHA



tempo de preparo:

De 30 minutos a 1 horas

serve:

1 a 2 porções

tipo de prato:

Aperitivo


ingredientes

Qtde Medida Ingrediente

140 Grama(s) Batata palha

400 Grama(s) Mussarela ralada

4 Colher(es) de sopa Molho de tomate

modo de preparo

  • .Numa forma de pizza virada ao contrário ( bundinha da forma) bem untada com manteiga e bem enfarinhada, coloque 140g de batata palha ( formando um disco). Acrescente por cima, 400 g de musarela ralada; as 4 colheres ( sopa) de molho de tomate. Com a base pronta, monte o recheio que quiser.


  • Com a base pronta ( 1° passo) faça o recheio que quiser ( calabresa - cebola cortada em rodela; presunto - por cima da mussarela; portuguesa - ovos cozidos;) recheio á gosto; após o recheio pronto , coloque á gosto fio de azeite, orégano. Leve ao forno pré-aquecido 180° até derreter a mussarela - 15 a 20 minutos

terça-feira, 27 de julho de 2010

LEMBRANDO OS SEUS DIREITOS!!!

Direitos iguais

Todos merecem ser tratados com respeito e dignidade. Todos têm o direito de trabalhar em um ambiente que promova oportunidades iguais de emprego, proibindo qualquer tipo de discriminação ou abuso.

Promoções de cargos têm como base habilidades pessoais e qualificações - não importando raça, cor, sexo, idioma, religião, opinião política, nacionalidade ou condição social. Nós também damos oportunidades condizentes e reais para pessoas portadoras de deficiência.

Emprego da oportunidade igual



O termo Oportunidade de emprego igual foi criado perto Presidente Lyndon B. Johnson quando assinou Ordem executiva 11246 qual foi criado para proibir contratantes federais de discriminar de encontro aos empregados na base da raça, sexo, credo, religião, cor, ou origem nacional.


A ordem executiva requereu também contratantes executar plantas de ação afirmativa ou projetos de promoção de cargos, carreiras e salários para aumentar a participação dos minoritarios e das mulheres no local de trabalho. Conforme aos regulamentos federais, as plantas de ação afirmativa devem consistir em uma indicação de política da oportunidade igual, em uma análise da força de trabalho atual, na identificação de áreas de problema, no estabelecimento dos objetivos e dos timetables para oportunidades de emprego crescentes, em programas ação-orientados específicos às áreas de problema do endereço, em sustentação para programas de ação da comunidade, e no estabelecimento de um exame interno e sistema do relatório.

DIREITOS ESTES ASSEGURADOS PELA LEI FEDERAL

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL
TÍTULO I
Dos Princípios Fundamentais

Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:

I - a soberania;

II - a cidadania;

III - a dignidade da pessoa humana;

IV - os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;

V - o pluralismo político.

Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.

Art. 2º São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário.

Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil:

I - construir uma sociedade livre, justa e solidária;

II - garantir o desenvolvimento nacional;

III - erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais;

IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.


TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI - FAÇA CUMPRIR O QUE JÁ ESTÁ ACORDADO SOCIETARIIAMENTE ENTRE NÓS!!! VOCÊ PAGOU POR ISSO!!!
Artigo 5º da Constituição Federal


Art. 5º. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

I - homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos desta Constituição;

II - ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei;

III - ninguém será submetido a tortura nem a tratamento desumano ou degradante;

IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

V - é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por dano material, moral ou à imagem;

VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;

VII - é assegurada, nos termos da lei, a prestação de assistência religiosa nas entidades civis e militares de internação coletiva;

VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

X - são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação;

XI - a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento do morador, salvo em caso de flagrante delito ou desastre, ou para prestar socorro, ou, durante o dia, por determinação judicial;

XII - é inviolável o sigilo da correspondência e das comunicações telegráficas, de dados e das comunicações telefônicas, salvo, no último caso, por ordem judicial, nas hipóteses e na forma que a lei estabelecer para fins de investigação criminal ou instrução processual penal;

XIII - é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer;

XIV - é assegurado a todos o acesso à informação e resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional;

XV - é livre a locomoção no território nacional em tempo de paz, podendo qualquer pessoa, nos termos da lei, nele entrar, permanecer ou dele sair com seus bens;

XVI - todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

XVII - é plena a liberdade de associação para fins lícitos, vedada a de caráter paramilitar;

XVIII - a criação de associações e, na forma da lei, a de cooperativas independem de autorização, sendo vedada a interferência estatal em seu funcionamento;

XIX - as associações só poderão ser compulsoriamente dissolvidas ou ter suas atividades suspensas por decisão judicial, exigindo-se, no primeiro caso, o trânsito em julgado;

XX - ninguém poderá ser compelido a associar-se ou a permanecer associado;

XXI - as entidades associativas, quando expressamente autorizadas, têm legitimidade para representar seus filiados judicial ou extrajudicialmente;

XXII - é garantido o direito de propriedade;

XXIII - a propriedade atenderá a sua função social;

XXIV - a lei estabelecerá o procedimento para desapropriação por necessidade ou utilidade pública, ou por interesse social, mediante justa e prévia indenização em dinheiro, ressalvados os casos previstos nesta Constituição;

XXV - no caso de iminente perigo público, a autoridade competente poderá usar de propriedade particular, assegurada ao proprietário indenização ulterior, se houver dano;

XXVI - a pequena propriedade rural, assim definida em lei, desde que trabalhada pela família, não será objeto de penhora para pagamento de débitos decorrentes de sua atividade produtiva, dispondo a lei sobre os meios de financiar o seu desenvolvimento;

XXVII - aos autores pertence o direito exclusivo de utilização, publicação ou reprodução de suas obras, transmissível aos herdeiros pelo tempo que a lei fixar;

XXVIII - são assegurados, nos termos da lei:

a) a proteção às participações individuais em obras coletivas e à reprodução da imagem e voz humanas, inclusive nas atividades desportivas;

b) o direito de fiscalização do aproveitamento econômico das obras que criarem ou de que participarem aos criadores, aos intérpretes e às respectivas representações sindicais e associativas;

XXIX - a lei assegurará aos autores de inventos industriais privilégio temporário para sua utilização, bem como proteção às criações industriais, à propriedade das marcas, aos nomes de empresas e a outros signos distintivos, tendo em vista o interesse social e o desenvolvimento tecnológico e econômico do País;

XXX - é garantido o direito de herança;

XXXI - a sucessão de bens de estrangeiros situados no País será regulada pela lei brasileira em benefício do cônjuge ou dos filhos brasileiros, sempre que não lhes seja mais favorável a lei pessoal do de cujus;

XXXII - o Estado promoverá, na forma da lei, a defesa do consumidor;

XXXIII - todos têm direito a receber dos órgãos públicos informações de seu interesse particular, ou de interesse coletivo ou geral, que serão prestadas no prazo da lei, sob pena de responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo seja imprescindível à segurança da sociedade e do Estado;

XXXIV - são a todos assegurados, independentemente do pagamento de taxas:

a) o direito de petição aos Poderes Públicos em defesa de direito ou contra ilegalidade ou abuso de poder;

b) a obtenção de certidões em repartições públicas, para defesa de direitos e esclarecimento de situações de interesse pessoal;

XXXV - a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito;

XXXVI - a lei não prejudicará o direito adquirido, o ato jurídico perfeito e a coisa julgada;

XXXVII - não haverá juízo ou tribunal de exceção;

XXXVIII - é reconhecida a instituição do júri, com a organização que lhe der a lei, assegurados:

a) a plenitude de defesa;

b) o sigilo das votações;

c) a soberania dos veredictos;

d) a competência para o julgamento dos crimes dolosos contra a vida;

XXXIX - não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena sem prévia cominação legal;

XL - a lei penal não retroagirá, salvo para beneficiar o réu;

XLI - a lei punirá qualquer discriminação atentatória dos direitos e liberdades fundamentais;

XLII - a prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei;

XLIII - a lei considerará crimes inafiançáveis e insuscetíveis de graça ou anistia a prática da tortura, o tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, o terrorismo e os definidos como crimes hediondos, por eles respondendo os mandantes, os executores e os que, podendo evitá-los, se omitirem;

XLIV - constitui crime inafiançável e imprescritível a ação de grupos armados, civis ou militares, contra a ordem constitucional e o Estado Democrático;

XLV - nenhuma pena passará da pessoa do condenado, podendo a obrigação de reparar o dano e a decretação do perdimento de bens ser, nos termos da lei, estendidas aos sucessores e contra eles executadas, até o limite do valor do patrimônio transferido;

XLVI - a lei regulará a individualização da pena e adotará, entre outras, as seguintes:

a) privação ou restrição da liberdade;

b) perda de bens;

c) multa;

d) prestação social alternativa;

e) suspensão ou interdição de direitos;

XLVII - não haverá penas:

a) de morte, salvo em caso de guerra declarada, nos termos do art. 84, XIX;

b) de caráter perpétuo;

c) de trabalhos forçados;

d) de banimento;

e) cruéis;

XLVIII - a pena será cumprida em estabelecimentos distintos, de acordo com a natureza do delito, a idade e o sexo do apenado;

XLIX - é assegurado aos presos o respeito à integridade física e moral;

L - às presidiárias serão asseguradas condições para que possam permanecer com seus filhos durante o período de amamentação;

LI - nenhum brasileiro será extraditado, salvo o naturalizado, em caso de crime comum, praticado antes da naturalização, ou de comprovado envolvimento em tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, na forma da lei;

LII - não será concedida extradição de estrangeiro por crime político ou de opinião;

LIII - ninguém será processado nem sentenciado senão pela autoridade competente;

LIV - ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal;

LV - aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes;

LVI - são inadmissíveis, no processo, as provas obtidas por meios ilícitos;

LVlI - ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória;

LVIII - o civilmente identificado não será submetido a identificação criminal, salvo nas hipóteses previstas em lei;

LIX - será admitida ação privada nos crimes de ação pública, se esta não for intentada no prazo legal;

LX - a lei só poderá restringir a publicidade dos atos processuais quando a defesa da intimidade ou o interesse social o exigirem;

LXI - ninguém será preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada de autoridade judiciária competente, salvo nos casos de transgressão militar ou crime propriamente militar, definidos em lei;

LXII - a prisão de qualquer pessoa e o local onde se encontre serão comunicados imediatamente ao juiz competente e à família do preso ou à pessoa por ele indicada;

LXIII - o preso será informado de seus direitos, entre os quais o de permanecer calado, sendo-lhe assegurada a assistência da família e de advogado;

LXIV - o preso tem direito à identificação dos responsáveis por sua prisão ou por seu interrogatório policial;

LXV - a prisão ilegal será imediatamente relaxada pela autoridade judiciária;

LXVI - ninguém será levado à prisão ou nela mantido, quando a lei admitir a liberdade provisória, com ou sem fiança;

LXVII - não haverá prisão civil por dívida, salvo a do responsável pelo inadimplemento voluntário e inescusável de obrigação alimentícia e a do depositário infiel;

LXVIII - conceder-se-á habeas-corpus sempre que alguém sofrer ou se achar ameaçado de sofrer violência ou coação em sua liberdade de locomoção, por ilegalidade ou abuso de poder;

LXIX - conceder-se-á mandado de segurança para proteger direito líquido e certo, não amparado por habeas-corpus ou habeas-data, quando o responsável pela ilegalidade ou abuso de poder for autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do Poder Público;

LXX - o mandado de segurança coletivo pode ser impetrado por:

a) partido político com representação no Congresso Nacional;

b) organização sindical, entidade de classe ou associação legalmente constituída e em funcionamento há pelo menos um ano, em defesa dos interesses de seus membros ou associados;

LXXI - conceder-se-á mandado de injunção sempre que a falta de norma regulamentadora torne inviável o exercício dos direitos e liberdades constitucionais e das prerrogativas inerentes à nacionalidade, à soberania e à cidadania;

LXXII - conceder-se-á habeas-data:

a) para assegurar o conhecimento de informações relativas à pessoa do impetrante, constantes de registros ou bancos de dados de entidades governamentais ou de caráter público;

b) para a retificação de dados, quando não se prefira fazê-lo por processo sigiloso, judicial ou administrativo;

LXXIII - qualquer cidadão é parte legítima para propor ação popular que vise a anular ato lesivo ao patrimônio público ou de entidade de que o Estado participe, à moralidade administrativa, ao meio ambiente e ao patrimônio histórico e cultural, ficando o autor, salvo comprovada má-fé, isento de custas judiciais e do ônus da sucumbência;

LXXIV - o Estado prestará assistência jurídica integral e gratuita aos que comprovarem insuficiência de recursos;

LXXV - o Estado indenizará o condenado por erro judiciário, assim como o que ficar preso além do tempo fixado na sentença;

LXXVI - são gratuitos para os reconhecidamente pobres, na forma da lei:

a) o registro civil de nascimento;
b) a certidão de óbito;

LXXVII - são gratuitas as ações de habeas-corpus e habeas-data, e, na forma da lei, os atos necessários ao exercício da cidadania.

§ 1º. As normas definidoras dos direitos e garantias fundamentais têm aplicação imediata.

 2º. Os direitos e garantias expressos nesta Constituição não excluem outros decorrentes do regime e dos princípios por ela adotados, ou dos tratados internacionais em que a República Federativa do Brasil seja parte.

*****************************************************************

CULINÁRIA FÁCIL...
MINIBAGUETE DE FORNO PRÁTICA!!!

Ingredientes:


1 Unidade(s) Minibaguete


1/2 Xícara(s) Presunto ralado no ralo grosso


1 Colher(es) de chá Salsinha picada


1/2 Xícara(s) Maionese hellmann´s deleite


1 Unidade(s) Tomate médio cortado em rodelas


1/2 Xícara(s) Queijo-de-minas frescal ralado no ralo grosso

Modo de Preparo:
Preaqueça o forno em temperatura média (180º c).



2.Corte a minibaguete ao meio, no sentido do comprimento. Reserve.


3.Em uma tigela, coloque o presunto e a salsinha.


4.Acrescente a maionese hellmann´s deleite e misture até formar uma pasta.


5.Espalhe a pasta sobre as metades da minibaguete. Distribua o tomate, o queijo-de-minas e leve ao forno por 15 minutos ou até gratinar. Sirva a seguir.


6.Variação: se preferir, substitua a salsinha por orégano.

***Dica: sirva com alface picada.***